|

 Casos Ativos

 Suspeitos Atuais

 Recuperados

 Mortes

Grécia

"Acordo por unanimidade". Dois tweets assinalam sucesso das negociações

13 jul, 2015 • Matilde Torres Pereira, Carla Caixinha e Pedro Caeiro [com agências]

Alexis Tsipras, que sempre recusou a participação do Fundo Monetário Internacional no pacote de resgate, terá cedido na última hora.

"Acordo por unanimidade". Dois tweets assinalam sucesso das negociações

Líderes europeus chegam a acordo durante maratona negocial para resgatar a Grécia. "Acordo", declarou o primeiro-ministro belga Charles Michel num tweet com uma única palavra. O governo do Chipre, através do porta-voz, "tweetou": "Parece que temos negócio".

O presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk, afirmou hoje que os líderes da Zona Euro alcançaram, por unanimidade, um acordo para oferecer um terceiro plano de ajuda à Grécia, após uma "maratona negocial".

"A cimeira da Zona Euro alcançou um acordo por unanimidade. Está tudo pronto para um programa de ajuda para a Grécia por via do Mecanismo Europeu de Estabilidade, com importantes reformas e um apoio financeiro", disse Tusk, através da sua conta na rede social Twitter, após horas de negociações.

A reunião de líderes da Zona Euro foi interrompida esta madrugada para consultas finais. As negociações arrastaram-se em Bruxelas durante mais de 19 horas na tentativa de fechar um acordo para um novo resgate à Grécia. Em causa estariam as medidas que os credores reclamam às autoridades gregas para aceitar um terceiro programa de ajuda solicitado por Atenas, que poderá ascender a 86 mil milhões de euros. 

A presidente da Lituania dizia estar “quase quase”, quando deixou a zona de reuniões.

O primeiro-ministro grego, que sempre recusou a participação do Fundo Monetário Internacional (FMI) no pacote de resgate, terá cedido na última hora, segundo a mesma fonte. O outro ponto em cima da mesa em que Alexis Tsipras teve de prescindir tem a ver com os fundo de activos das pricatizações na Grécia, que Tsipras tinha antes recusado em toda a linha. 

O partido da oposição grego To Potami não entrará num governo de salvação nacional com o Syriza, mas irá apoiar uma solução para os interesses da nação, diz esta manhã um dirigente do partido.

“Não estamos à procura de um papel como parceiro de governo com o Syriza, mas expressamos a nossa disponibilidade ao primeiro-ministro para encontrar soluções a bem da nação”, disse o dirigente à agência Reuters.

Princípio de entendimento alcançado durante reunião bilateral
A nova paragem surgiu depois da discussão de uma proposta de compromisso para um novo resgate à Grécia, avançou esta segunda-feira uma fonte oficial do Conselho Europeu. 

O princípio de entendimento foi alcançado durante uma reunião bilateral, que juntou, nas últimas horas, o primeiro-ministro grego, Alexis Tsipras, a chanceler alemã, Angela Merkel, o Presidente francês, François Hollande, e o presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk.

As dificuldades estariam relacionadas com o novo plano de resgate. As condições impostas à Grécia são "muito más", avançou fonte do Governo de Atenas citada pela agência France Press. Há condições "de outro planeta", disse uma fonte do Governo grego à imprensa internacional.

As negociações têm sido acompanhadas pelo Nobel da Economia norte-americano. Num artigo intitulado "Matar o Projecto Europeu", publicado num blogue de opinião do "New York Times", Paul Krugman critica veementemente as exigências do Eurogrupo em relação à Grécia.

[Notícia actualizada às 8h40]