Houve mais condenações à morte em 2014. China é recordista de execuções

01 abr, 2015

Egipto e Nigéria foram os países que mais contribuíram para o aumento do número de de sentenças capitais. A China executou mais pessoas do que a totalidade dos países onde vigora a pena de morte.
Houve mais condenações à morte em 2014. China é recordista de execuções
Em 2014, houve mais condenações por pena de morte, mas menos execuções do que no ano anterior. Os dados constam do mais recente relatório da Amnistia Internacional, divulgado esta quarta-feira.

O documento aponta para um aumento de cerca de 30% de condenações por pena capital em relação a 2013. Foram proferidas quase 2.500 sentenças de morte em 55 países.

Egipto e Nigéria foram os que mais contribuíram para este aumento.

Quanto às execuções, pelo menos 607 pessoas perderam a vida em 22 países – menos 171 do que em 2013.

A Amnistia sabe que a China foi o país que mais pessoas executou. Mais do que a totalidade dos países onde vigora a pena de morte. No entanto, o país está excluído da contagem por falta de dados.

O relatório indica também que a Guiné-Equatorial, país membro da CPLP, procedeu à execução de nove pessoas em Janeiro de 2014, exactamente duas semanas antes de ter sido declarada a “moratória temporária à aplicação da capital” que viabilizou a adesão do país à Comunidade dos Países de Língua Oficial Portuguesa.