O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
Espanha

“Todos sabiam” dos pagamentos extra no PP espanhol

14 jul, 2013

Ex-deputado Manuel Millan Mestre não tem dúvidas. Rajoy continua em silêncio e PSOE já admite moção de censura.
“Todos sabiam” dos pagamentos extra no PP espanhol

Um ex-deputado do Partido Popular espanhol diz que “todos sabiam” dos pagamentos extra de que Mariano Rajoy, agora Chefe de Governo de Espanha, é suspeito de ter recebido no final dos anos 90.

É mais uma “acha para a fogueira” que vai ardendo desde que o jornal “El Mundo” divulgou extractos de uma alegada contabilidade paralela do PP, na qual o então ministro do Governo de José Maria Aznar aparece como destinatário de pagamentos ilegais.

A denúncia é do ex-deputado e ex-dirigente dos populares espanhóis: Manuel Millan Mestre diz à Rádio Catalunha que “toda a gente sabia” da existência de pagamentos extra a dirigentes do partido.

O testemunho deste antigo membro da comissão executiva do PP adensa a suspeita de que Mariano Rajoy tenha recebido pagamentos ilegais quando era ministro do governo conservador de Aznar.

Este ex-dirigente popular diz que, se Rajoy quer manter a sua credibilidade, “não pode negar as evidências”.

Entretanto, a oposição socialista, pela voz de Alfredo Perez Rubalcaba, não descarta a apresentação de uma moção de censura ao Governo, caso Rajoy insista em não dar explicações sobre estas suspeitas.

“Tomaremos quantas iniciativas considerarmos oportunas, para encontrar uma saída para esta crise que afecta o nosso país. Quantas iniciativas considerarmos oportunas, sem descartar nenhuma”, disse.

A eventual existência de contabilidade oculta no Partido Popular espanhol está a ser investigada desde Janeiro. A própria polícia já confirmou financiamentos ilegais e a existência de uma contabilidade paralela no partido.

Luis Bárcenas, ex-tesoureiro do PP espanhol que tinha documentos em que confirmava os pagamentos, está detido.