Caso Freeport

Antigo administrador diz que Sócrates recebeu dinheiro para passar licença

22 mai, 2012 • Liliana Monteiro

Alan Perkins disse em tribunal que as verbas pagas rondaram os 200 mil ou 220 mil euros e que, ao longo do licenciamento, fizeram-se outros pagamentos a diferentes pessoas.
Antigo administrador diz que Sócrates recebeu dinheiro para passar licença
O antigo administrador da empresa proprietária do Freeport de Alcochete, Alan Perkins, disse esta terça-feira que foram feitos pagamentos ilegais a José Sócrates e a outro alto representante para obter a licença ambiental necessária para a construção do "outlet". Alan Perkins está a ser ouvido como testemunha no Tribunal do Barreiro, onde decorre o julgamento do caso Freeport.

O antigo administrador, que entrou para a empresa em 2005, revelou que Charles Smith lhe contou que em 2001 tinham sido feitos pagamentos ilícitos sem os quais a licença ambiental não teria sido conseguida. Uma das pessoas a receber esse pagamento teria sido o ministro do Ambiente - na altura José Sócrates - e a licença terá sido passada na sua última semana em funções. 

Alan Perkins referiu ainda que as verbas pagas rondavam os 200 mil ou 220 mil euros e que, ao longo do licenciamento, terá havido mais verbas pagas a outras pessoas. A testemunha adiantou ainda que a Freeport era da opinião de que o projecto "não andava" sem pagamentos. Por isso, Charles Shmith era um intermediário.

O caso Freeport foi originado por suspeitas de corrupção, tráfico de influências e financiamento de partidos políticos para que fosse alterada a zona de protecção especial do Estuário do Tejo, com vista ao licenciamento daquele empreendimento comercial em Alcochete. O licenciamento do projecto data de 2002, quando o ministro do Ambiente era José Sócrates, que mais tarde veio a ser primeiro-ministro.