O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
Ouvir Emissão
Acabou de Tocar MARIAH CAREY - WITHOUT YOU Acabou de Tocar

Últimas NotíciasPaísMundoPolíticaEconomiaReligiãoCulturaSaúde e CiênciaInfo A-ZEspeciaisSínodoPodcast

Vale e Azevedo: guia de marcha para Portugal?

  • Áudio Em Nome da Lei (24/03/12))

Caso do ex-presidente do Benfica está hoje em análise no “Em Nome da Lei”.
24-03-2012 17:30
João Vale e Azevedo pode voltar a ser julgado em Portugal, logo que seja entregue pelas autoridades britânicas. Em causa, mais uma acusação de peculato, por apropriação de verbas relativas a passes de jogadores.

O ex-presidente do Benfica está em Londres, para onde fugiu em 2008. A justiça portuguesa tenta há quase quatro anos que seja restituído a Portugal, para cumprir uma pena de cinco anos e meio de cadeia – o cúmulo jurídico que lhe foi fixado pelas condenações nos processos Dantas da Cunha, Ovchinikov-Euroárea e Ribafria.

O advogado, com carteira suspensa pela Ordem, tem conseguido adiar o seu regresso à prisão, usando de todos os expedientes processuais. Conseguiu até obter apoio judiciário do Governo britânico, depois de decretar falência.

Um juiz de Westminster decretou, no entanto, há uma semana, a sua entrega às autoridades portuguesas, classificando Vale e Azevedo como um homem desonesto.

Da decisão da primeira instância ainda cabe recurso, mas quando receber a “guia de marcha” definitiva para Portugal, além de uma pena de cinco anos e meio de cadeia, Vale e Azevedo pode ter outros processos à perna, nomeadamente uma acusação de peculato, por apropriação de verbas relativas a passes dos jogadores, quando era presidente do Benfica.

Isso mesmo foi admitido pela procuradora-adjunta do Departamento de Investigação e Acção Penal (DIAP) de Lisboa, Cristina Ribeiro, convidada do “Em Nome da Lei” deste domingo.

O juiz desembargador Eurico Reis, elemento habitual do programa, acredita que depois da decisão da primeira instância, a entrega de Vale e Azevedo à justiça portuguesa não vai demorar muito.

O advogado Luís Fábrica, por seu lado, considera que os adiamentos sucessivos da decisão de entregar o antigo presidente do Benfica às autoridades judiciais portugueses, ao longo dos últimos quatro anos, são incompreensíveis à luz das regras vigentes na União Europeia.

O programa “Em Nome da Lei” vai para o ar todos os sábados entre as 12h00 e as 13h00 e pode ser sempre recordado aqui, no site. Tem ainda uma página no Facebook, onde pode deixar os seus comentários e sugestões.
PARTILHAR

  • PUB

Deixe aqui o seu comentário relativo a este artigo. Todos os comentários estão sujeitos a mediação.

Tem 1500 caracteres disponíveis

Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.


Entrar Renascença V+
Ancelotti: "Ronaldo é o melhor jogador que já treinei"



INFORMAÇÃO      BOLA BRANCA      PROGRAMAÇÃO      MÚSICA      MULTIMÉDIA      OPINIÃO