|

“Face Oculta”

Tribunal dá como provadas acusações contra Vara, Godinho e Penedos

05 set, 2014

Manuel Godinho foi condenado a 17 anos e seis meses de prisão efectiva, José Penedos e Armando Vara a cinco anos de prisão efectiva.

Tribunal dá como provadas acusações contra Vara, Godinho e Penedos

O Tribunal de Aveiro dá como provados os crimes de que são acusados Armando Vara, Manuel Godinho, Paulo e José Penedos. A leitura do acórdão, com 2.700 páginas, foi feita esta sexta-feira.

O sucateiro Manuel Godinho, principal arguido do processo, foi condenado a 17 anos e seis meses de prisão efectiva; José Penedos a cinco anos de prisão efectiva; e antigo ministro e ex-vice-presidente do BCP, Armando Vara, foi condenado a cinco anos de prisão efectiva, por três crimes de tráfico de influência.

O antigo ministro e ex-vice-presidente do BCP Armando Vara está acusado de três crimes de tráfico de influência, enquanto o ex-presidente da REN (Redes Energéticas Nacionais) José Penedos responde por duas acusações de corrupção e outras duas de participação económica em negócio.

O colectivo de juízes presidido por Raul Cordeiro deu ainda como provada a associação criminosa da "rede tentacular" do sucateiro Manuel Godinho que tinha como objectivo conseguir favorecimentos em concursos para levantamentos de resíduos a troco de contrapartidas.

O julgamento do processo de corrupção chega esta sexta-feira ao fim com a leitura do acórdão final, quase três anos depois de ter começado.

Na sessão, estiveram presentes 24 dos 36 arguidos, incluindo Armando Vara e Manuel Godinho, destacando-se a ausência de José Penedos, que justificou a falta com a necessidade de acompanhar a mulher, que se encontra doente.

O processo "Face Oculta" envolve 36 arguidos que estão acusados pelo Ministério Público (MP) de centenas de crimes de burla, branqueamento de capitais, corrupção e tráfico de influências.

Nas alegações finais, o MP pediu a condenação de todos os acusados, defendendo a aplicação de penas de prisão efectivas para 16 arguidos, incluindo Armando Vara, José Penedos, Paulo Penedos e Manuel Godinho, e penas suspensas para os restantes. Todos os advogados de defesa pediram a absolvição dos arguidos por insuficiência de provas.

[notícia actualizada às 21h07]