Derrocada faz mais de 30 desalojados nos Açores

13 jun, 2014 • Celso Paiva Sol, com Lusa

"Como a arriba está a cair, até que ela estabilize, não convém ter ali ninguém”, disse à Renascença a vice-presidente da Câmara de S. Roque do Pico.
Derrocada faz mais de 30 desalojados nos Açores

Um total de 31 pessoas ficaram desalojadas na ilha do Pico, nos Açores, na sequência de dois deslizamentos de terra ocorridos esta sexta-feira na encosta de São Miguel Arcanjo.

Estas famílias foram retiradas das suas casas, por estarem em risco "nove habitações, uma delas pertencente a cidadãos estrangeiros que apenas passam férias na ilha", disse à agência Lusa o presidente da Câmara de São Roque do Pico, Mark Anthony Silveira.

Dois deslizamentos de terras, um por volta das 10h00 da manhã e outro pouco depois do meio-dia, colocaram em alerta máximo a freguesia de S. Roque do Pico, nos Açores.

As derrocadas na encosta São Miguel Arcanjo não provocaram danos humanos e materiais, mas, por precaução, as autoridades locais já retiraram as famílias das respectivas casas.

“Era uma encosta de uma altura considerável, em que, na parte de cima, havia ruas e habitações e parte dessa encosta derrocou por volta das 10h00. Felizmente, não temos a registar nenhum ferido, mas temos várias famílias desalojadas que não pode sequer aceder às habitações, porque houve por volta do meio-dia uma nova derrocada, de menor dimensão”, explicou à Renascença a vice-presidente da Câmara de S. Roque do Pico.

Paula Ferreira adianta que foram destacados para o local elementos da Câmara e da Protecção, que estão em alerta. “Como a arriba está a cair, até que ela estabilize, não convém ter ali ninguém”, sublinha.

As autoridades estão nesta altura a avaliar a estabilidade da encosta, mas, se for preciso, a autarquia admite continuar a retirar os habitantes daquela zona, explica a vice-presidente da Câmara de S. Roque do Pico.