O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
|

"Esta manifestação tem que ter consequências"

06 mar, 2014

Representantes dos manifestantes das forças de segurança foram recebidos pela presidente da Assembleia da República.

A manifestação desta quinta-feira das forças de segurança “tem que ter consequências” e não pode ser desvalorizada pelo Governo, afirmou Paulo Rodrigues, porta-voz da comissão que junta seis estruturas sindicais, no final de uma reunião com a presidente da Assembleia da República, Assunção Esteves.

Os representantes dos manifestantes entregaram a Assunção Esteves um dossier com as principais reivindicações e com propostas para resolver os problemas dos polícias, disse Paulo Rodrigues aos jornalistas.

“A reunião foi importante. A presidente da Assembleia da República mostrou total abertura de levar os problemas dos policias junto dos grupos parlamentares”, afirmou o também presidente da Associação Sindical dos Profissionais da Polícia (ASPP/PSP).

Paulo Rodrigues espera que a abertura manifestada por Assunções Esteves “tenha influência junto daqueles que decidem”, nomeadamente o Governo.

Questionado sobre uma eventual greve das forças de segurança, Paulo Rodrigues declarou que não vai comentar propostas de outros sindicatos nem antecipar cenários.

A manifestação desta quinta-feira foi convocada por estruturas associativas e sindicais de seis forças e serviços de segurança: PSP, GNR, Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF), Guarda Prisional, Autoridade da Segurança Alimentar e Económica (ASAE) e Polícia Marítima.

O protesto começou no Marquês de Pombal e, à chegada ao Parlamento, os ânimos subiram de tom. Pelas 20h25, foram derrubadas barreiras de segurança. Alguns manifestantes conseguiram mesmo furar o cordão policial. Há registo de pelo menos dois feridos, um manifestante e um polícia.