O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.

"Esta manifestação tem que ter consequências"

06 mar, 2014

Representantes dos manifestantes das forças de segurança foram recebidos pela presidente da Assembleia da República.
"Esta manifestação tem que ter consequências"

A manifestação desta quinta-feira das forças de segurança “tem que ter consequências” e não pode ser desvalorizada pelo Governo, afirmou Paulo Rodrigues, porta-voz da comissão que junta seis estruturas sindicais, no final de uma reunião com a presidente da Assembleia da República, Assunção Esteves.

Os representantes dos manifestantes entregaram a Assunção Esteves um dossier com as principais reivindicações e com propostas para resolver os problemas dos polícias, disse Paulo Rodrigues aos jornalistas.

“A reunião foi importante. A presidente da Assembleia da República mostrou total abertura de levar os problemas dos policias junto dos grupos parlamentares”, afirmou o também presidente da Associação Sindical dos Profissionais da Polícia (ASPP/PSP).

Paulo Rodrigues espera que a abertura manifestada por Assunções Esteves “tenha influência junto daqueles que decidem”, nomeadamente o Governo.

Questionado sobre uma eventual greve das forças de segurança, Paulo Rodrigues declarou que não vai comentar propostas de outros sindicatos nem antecipar cenários.

A manifestação desta quinta-feira foi convocada por estruturas associativas e sindicais de seis forças e serviços de segurança: PSP, GNR, Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF), Guarda Prisional, Autoridade da Segurança Alimentar e Económica (ASAE) e Polícia Marítima.

O protesto começou no Marquês de Pombal e, à chegada ao Parlamento, os ânimos subiram de tom. Pelas 20h25, foram derrubadas barreiras de segurança. Alguns manifestantes conseguiram mesmo furar o cordão policial. Há registo de pelo menos dois feridos, um manifestante e um polícia.