O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.

"Troika" fica por cá mais uns dias

08 mar, 2013 • Paulo Ribeiro Pinto

Trata-se da sétima avaliação ao programa de ajustamento financeiro português, a mais difícil até agora.
"Troika" fica por cá mais uns dias
Os homens do Fundo Monetário Internacional (FMI), Banco Central e Comissão Europeia vão ficar mais uns dias em Lisboa. A partida estava prevista para esta sexta-feira, mas problemas de última hora obrigaram a um adiamento.

Ao que a Renascença apurou junto de fonte da maioria, terão sido dificuldades relativas aos cortes na despesa do Estado com a função pública a estar na origem deste adiamento.

De resto, já na quinta-feira, durante a conferência de imprensa no final do Conselho de Ministros, o secretário de Estado da Presidência, Luís Marques Guedes, referiu que a avaliação poderia terminar entre o fim desta semana e o início da próxima, quando há oito dias tinha dito que o exame terminava hoje.

Esta é considerada a avaliação trimestral mais difícil, não só pelos dados económicos menos positivos do final do ano passado, como pelos cortes de quatro mil milhões na despesa do Estado.

Pelo meio, o primeiro-ministro anunciou que o ministro de Estado Paulo Portas ficou com a gestão deste dossier.

A sétima avaliação da “troika” começou dia 25 de Fevereiro.