|

Estudo IMD

Portugal cai cinco posições no ranking de competitividade de escola suíça

31 mai, 2013

Austeridade e indústria pouco diversificada colocam Portugal na 46.ª posição na lista de competitividade de 60 países.

Portugal caiu cinco lugares, para a 46.ª posição em 2013, na lista de competitividade de 60 países que a Escola de Gestão suíça IMD publica anualmente.

A queda de cinco posições de Portugal, bem como de Espanha, que também caiu do 39.º lugar em 2012 para o 45.º em 2013, é “consequência de programas de austeridade e da escassa diversificação da indústria”, refere a IMD.

Segundo a lista da IMD, anunciada esta sexta-feira, “a maior parte da Europa está afectada pelos programas de austeridade que estão a atrasar a recuperação e pondo em dúvida a temporalidade das medidas propostas”, refere num comunicado o director do Centro Mundial de Competitividade da IMD, Stephane Garelli.

As excepções do continente europeu são a Suíça (na 2º posição), a Suécia (4º) e Alemanha (9º), países cujo êxito reside em indústrias orientadas para a exportação, economias diversificadas, nas PME e na disciplina fiscal, segundo Garelli.

A classificação da IMD atribuiu este ano o primeiro posto aos Estados Unidos, que em 2012 tinham ficado no segundo lugar, “graças à recuperação do sector financeiro, a abundante inovação de tecnologia e às empresas com sucesso”.

“Enquanto a Zona Euro permanece estagnada, a potente recuperação dos Estados Unidos nas classificações de competitividade faz reviver o debate sobre a austeridade”, refere Garelli.

Na América Latina, o comunicado destaca o México que subiu cinco posições para a 32º posição devido “a um pequeno renascimento da competitividade, que deverá ser confirmado com o tempo e pela continua adopção de reformas estruturais”.

Em contrapartida os últimos lugares da lista foram destinados à Argentina (59.º) e à Venezuela (60.º). Na Ásia, destacam-se da lista da IMD a China, na posição 21.ª, e o Japão, na 24.ª, que subiram das posições 23.ª e 27.ª em 2012, respectivamente.

Dos BRICS (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul), a China foi o único país a situar-se acima do meio da tabela de 60 países, tendo a Rússia subido seis posições face a 2012 para a 42º posição em 2013.

As piores evoluções face a 2012 foram as da Índia, que caiu cinco posições para a 40.ª, do Brasil, que também caiu cinco posições para o 51.º lugar, e da África do Sul, que perdeu três lugares e ficou no 53.º lugar da lista IMD.

A escola de gestão suíça fez este ano a 25.ª edição da lista de competitividade, que apareceu pela primeira vez em 1989 com a classificação das economias mais avançadas.