O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
|

A crise "fez-nos acordar", diz Teolinda Gersão

03 mai, 2013 • Maria João Costa

"Ensaio Geral" trocou mais uma vez o estúdio de rádio pela Livraria Ferin, no Chiado e esteve à conversa com a escritora Teolinda Gersão que tem novo livro.

"Cadernos II - As águas Livres" é o novo livro de Teolinda Gersão editado pela Sextante. A autora que já venceu vários prémios, entre eles o Fernando Namora, foi a entrevistada de mais uma edição do "Ensaio Geral" feito na Livraria Ferin no Chiado.

Nesta parceria entre a Renascença, os consultores de edição Booktailors e a Livraria Ferin ouvimos Teolinda Gersão a criticar o actual sistema de educação. A autora do romance "A cidade de Ulisses" diz que "o ensino não é motivador, julga-se que saber português é saber uma série de definições que estão ultrapassadas e fora de moda". 

Teolinda Gersão que é muito crítica do acordo ortográfico diz que os alunos não sabem ler, nem escrever e muito menos falar.

Teolinda Gersão, que anuncia estar a escrever um novo romance, fala da sua mais recente obra. "Cadernos II - As águas livres" é um livro onde a escritora reúne pequenos textos fragmentados, uma espécie de cadernos de apontamentos, mas onde há uma unidade.

Nesta entrevista a que o público pode assistir, Teolinda Gersão fala também da actual situação de Portugal - tema que de resto também está presente no seu novo livro. A autora diz que a crise "fez-nos acordar", embora considere que os portugueses têm sido muito passivos.  

Neste programa, Teolinda Gersão responde ainda às perguntas do presidente do Centro Nacional de Cultura - Guilherme d'Oliveira Martins - sobre os seus livros.

“Ensaio Geral” é um programa com edição de Maria João Costa e hoje contou com apoio técnico de José Ferreira. Pode ouvi-lo na Renascença às sextas-feiras, pelas 23h30, ou a qualquer altura na internet.

O próximo programa regressa à Livraria Ferin, no próximo dia 7 de Junho. O entrevistado será o escritor e ex-secretário de Estado da Cultura, Francisco José Viegas.