Opinião de Luís António Santos
A+ / A-

​E agora, Europa?

30 mai, 2017 • Opinião de Luís António Santos


A antecipada saída do Reino Unido e a previsibilidade de uma liderança norte-americana disposta a renegar compromissos internacionais assumidos e a fixar-se em novos eixos de alianças alteraram a topografia global.

“O tempo em que podíamos depender completamente de outros acabou” – a frase da chefe de governo da Alemanha, Angela Merkel, proferida durante o fim de semana, pode ser lida como um exagero de linguagem próprio de uma campanha eleitoral em curso mas pode, igualmente, ser entendida como sinal de uma viragem relevante na gestão política da UE.

Discursando na sequência de uma série de encontros cimeiros da NATO e dos G7 – e, certamente, incorporando o que ali se discutiu mas, também, a forma como um aliado específico se posicionou – a chanceler alemã disse ainda: “Nós, europeus, precisamos mesmo de assumir o nosso destino (...) de lutar sozinhos pelo nosso futuro”.

A antecipada saída do Reino Unido da UE e a previsibilidade de uma liderança norte-americana disposta a renegar compromissos internacionais assumidos e a fixar-se em novos eixos de alianças (nomeadamente com a Rússia) alteraram de forma significativa a topografia global. E, perante tão grande abanão, a Europa teria sempre duas opções – uma, porventura mais prudente, que aconselharia a ‘navegar à vista’ estas águas turbulentas protegendo, da melhor forma possível, os acordos comerciais; uma outra, talvez mais arriscada, envolvendo a afirmação do bloco europeu como uma entidade mais autónoma mas igualmente mais coesa.

Ora, a postura de Merkel – sobretudo se a combinarmos com o apoio inequívoco que parece ter dado a Macron, num esforço para revitalizar a parceria Franco-Alemã – sugere que o caminho a seguir pode muito bem ser o segundo. Acontece que isso envolve não apenas um realinhamento da Europa em negociações com parceiros externos (aqui incluindo as negociações do Brexit) mas também uma profunda alteração da gestão política, económica, financeira e de coesão social da união.

A UE que Merkel agora parece anunciar como uma efectiva potência autónoma no teatro das relações internacionais (“a Alemanha só estará bem se a Europa estiver bem”) não pode ser a de uma centralização administrativa que trata com desrespeito (e mesmo desdém) os mais frágeis, não pode ser a de uma união monetária sem união fiscal e bancária, não pode ser a de concorrência desleal entre membros, não pode ser a de implantação de uma visão totalitária que encara toda a actividade dos seus cidadãos como um negócio.
Merkel quer mais Europa. É uma possibilidade. Mas só valerá a pena se for, antes de mais, melhor Europa.


Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • JP
    30 mai, 2017 Lisboa 20:08
    Há algo que eu não percebo. A Merkel fala em nome da Alemanha ou da UE? Com estas tangas se percebe a razão da saída do RU. Isto parece o GOVERNO SOMBRA que saiu do estúdio para irem " PALHAÇAR " até Viseu onde JMT disse esta coisa espantosa. Viseu é a terra aonde existe melhor qualidade de vida. Resultado ou não da visita a verdade é que há hepedemia de sarna em Viseu. Coincidências. Espero que esta gente não venha ao meu concelho.
  • MASQUEGRACINHA
    30 mai, 2017 TERRADOMEIO 16:29
    Exactamente. De momento, estamos na fase em que parece termos que escolher entre a frigideira e o lume. Depois, a alemã Srª Merkel como assumida e entusiasta líder do rebanho europeu provoca-me um ligeiro arrepio... porque, enfim, hoje está ela, e amanhã, que alemão estará? Que Alemanha estará? Dados os recentes precedentes históricos, e as inflexibilidades darwinistas presentes, parece-me que toda a prudência é pouca. Macron, o puro político circunstancial, fará render o peixe de França passar a ser o único país da UE com assento no Conselho Permanente... A França que, Junker dixit, é a França, e está tudo dito, sobre ética e oportunismo. Dir-se-ia que a história feita farsa nos empurra para uma solução que nem é de Europa das Nações, nem Federalista, mas sim de puro e simples Directório... inevitável.