Era uma vez um Marcelo português. Abraçava, beijava e falava inglês

20 jan, 2016 - 17:10

Excerto da reportagem multimédia "A campanha que Marcelo gostava de puxar à frente"

RSS URL Embed E-mail Facebook Twitter Whatsup Comentários

Renascença na Ucrânia

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Luis Pinto
    06 fev, 2016 Paço-de-Arcos 12:44
    eu não votei "martelo" estive inclinado para isso(mãe), influencias!!! mas não. votei por mim mesmo e não obtive resultados.
  • peter
    25 jan, 2016 Loule 06:51
    Ainda bem que marcelo Ganhou, mais umas eleicoes em que esquerda perdeu , la para para Junho estamos a ter novas eleicoes legislativas, este governo de esquerda e fraco e sem escruplos!!!!!
  • Miguel Botelho
    24 jan, 2016 Lisboa 23:17
    Por apenas 300 mil votos, não houve uma segunda volta. Para a vitória de Marcelo, contribuíram os abstencionistas, as campanhas do PSD/PP, a de José Mourinho, toda a comunicação social, a campanha de Maria de Belém e a dos 5 candidatos que em nada decidiram (Tino de Rans, o mais imbecil; Henrique Neto; Jorge Sequeira; Paulo Morais e Cândido Ferreira). Os abstencionistas tiveram uma excelente oportunidade de transformar o país e modificar o seu rumo. Em vez disso, decidiram ficar em casa e aceitar o compromisso com mais 5 anos de presidência «cavaquista» (mais colorida ou não). O meu enorme luto por essa gente que fez parte do abstencionismo que hoje deu a vitória a Marcelo.
  • adamastor
    24 jan, 2016 Algarve 23:06
    voces da comunicação social metem nojo pela forma como trabalharam nestas presidenciais, agora são voces que escolhem quem ganha não é?