Reportagem

Campo de refugiados pintado de fresco para o Papa. "Tudo para parecer o paraíso que não é"

15 abr, 2016 - 14:51 • Catarina Santos , na Grécia

Os muros que vedam o campo de Moria, que até há dois dias eram cinzentos e envergavam slogans apelando a que parassem as deportações de migrantes para a Turquia, estão agora pintados de fresco. E o mesmo acontece dentro do campo que o Papa visita este sábado e onde os jornalistas estão impedidos de entrar. "Neste momento a situação acalmou bastante, porque o Papa vem cá", conta um migrante paquistanês, que teme que a atenção sobre o drama dos refugiados só dure um dia.

RSS iTunes URL Embed E-mail Facebook Twitter Whatsup Comentários
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • NL
    15 abr, 2016 Ermesinde 17:16
    E Sua Eminência o Papa Francisco não sabe? O Papa Francisco não pode mudar a noite para o dia a não ser com as mesmas chicotadas, agora granadas ofensivas, que Jesus Cristo infliguiu aos fariseus no Templo. Há muita gente, neste mundo, que merece mais do que chicotadas. Merece um tiro nos cornos. Essa canalha humana, se não se acredita na vida eterna, na vida após a morte, porque é que, nesta terra, querem tudo para eles? Querem gozar os seus milhões com sete palmos de terra em cima? Ganhem juízo enquanto vivos. Os vossos descendentes de milhões o que querem é que vocês se fod** o mais ràpidamente possível. Leiam a História de Portugal e vejam como acabaram os nossos grandiosos ricaços de Portugal.