Médicos Sem Fronteiras denunciam agravamento da crise humanitária no Iémen

19 jun, 2019 - 19:45 • Imagens: Médicos sem Fronteiras

Os Médicos Sem Fronteiras denunciaram, esta semana, o agravamento da crise humanitária no Iémen, onde foram mortos pelos menos 17 mil civis, desde 2015. De acordo com a organização médica humanitária internacional, a província de Saada foi a mais afetada pelos bombardeamentos da coligação liderada pela Arábia Saudita. Hospitais, centros de saúde, mercados e zona residenciais foram completamente destruídas por ataques aéreos. Cerca de 40% da população está à beira da fome e vastas zonas do Iémen podem vir a enfrentar uma epidemia de cólera.
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.