O "software" que acelera julgamentos e é recusado pelo Ministério da Justiça

29 abr, 2019 - 06:48 • Liliana Monteiro , Inês Rocha

Um juiz e dois policias desenvolveram uma ferramenta que agiliza a investigação e o julgamento, mas o ministério da Justiça decidiu ignorar o sistema que podia obter de forma gratuita. O Conselho Superior da Magistratura e a Procuradoria-Geral da República reconhecem utilidade e celebraram protocolos para instalação da ferramenta que já está a ser usada em grandes processos. O juiz António Gomes, um dos seus criadores, apresenta o software na Renascença.
Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.