D. Américo Aguiar

Jornada Mundial da Juventude: Estado “deve assumir” segurança, transportes e saúde

04 abr, 2019 - 00:01 • Eunice Lourenço (Renascença) e Helena Pereira (Público)

O bispo auxiliar de Lisboa, Américo Aguiar, considera que a Jornada Mundial da Juventude (JMJ), que se realizará em Lisboa em 2022, “tem um impacto e um retorno financeiro que não é desprezível” e congratula-se pelo facto de os líderes políticos reconhecerem essa importância. Igreja conta com o Governo e instituições do Estado para custear o que tem a ver com necessidades de segurança, transporte e saúde dos visitantes. E lembra que tem sido assim nos vários países onde já decorreu a JMJ.
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.