Ser cuidador informal é aceitar "um segundo turno que não tem horário"

23 jan, 2019 - 06:01 • Joana Gonçalves

Cristina Borges viu-se obrigada a abandonar o emprego e passou a viver com os pais, para lhes conseguir assegurar um cuidado permanente. Durante seis meses, assumiu um trabalho sem limite horário ou remuneração e para o qual não se sentia preparada. Na véspera do debate da Lei de Bases da Saúde, no Parlamento, Cristina relembra que não está sozinha.
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.