Ser cuidador informal é aceitar "um segundo turno que não tem horário"

23 jan, 2019 - 06:01 • Joana Gonçalves

Cristina Borges viu-se obrigada a abandonar o emprego e passou a viver com os pais, para lhes conseguir assegurar um cuidado permanente. Durante seis meses, assumiu um trabalho sem limite horário ou remuneração e para o qual não se sentia preparada. Na véspera do debate da Lei de Bases da Saúde, no Parlamento, Cristina relembra que não está sozinha.

RSS iTunes URL Embed E-mail Facebook Twitter Whatsup Comentários
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.