Sea Watch 3. "Foi-nos negado um porto seguro para deixar as pessoas"

04 jan, 2019 - 21:00 • Imagem: Reuters

O navio Sea Watch 3 resgatou, a 22 de dezembro, 32 migrantes ao largo da Líbia e, desde então, tenta obter autorização para aportar, mas nenhum país europeu deu ainda "luz verde". A Renascença falou esta sexta-feira com Robin Jenkins, um voluntário abordo do Sea Watch, que diz que, ao fim de duas semanas, a principal preocupação a bordo prende-se com o estado de saúde mental dos refugiados.
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.