Encenações, furacões, paralisações. 2018 explicado em bonecos

19 dez, 2018 - 12:02 • Inês Rocha , Ricardo Fortunato , Rodrigo Machado , Maria João Cunha

Um assalto que acabou numa encenação foi pretexto para promover um pequeno furacão no Governo, enquanto um verdadeiro furacão – e outras tragédias – abalavam o país. Ventos fortes que chegaram também ao futebol, com um ataque violento à academia do Sporting e um caso de justiça em que a SAD do Benfica é acusada de corrupção. E mesmo com um défice histórico perto de zero e uma “geringonça” funcional, o país viu greves o ano inteiro. Afinal, 2018 ainda não foi o ano em que a “civilização” portuguesa evoluiu. Recordamos o ano com bonecos.
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.