Cancros digestivos estão a matar mais. Arranca esta sexta-feira peditório da Europacolon
05-04-2024 - 07:01
 • Liliana Monteiro

Em três anos, aumentou o número de cancros do estômago, pâncreas, fígado e intestino. Os cancros ão detetados já mais avançados e em população mais nova.

As cifras são negras: as doenças digestivas em 2022 atingiram mais de 18 mil pessoas e mataram 11 mil e 700 pessoas.

Os dados são da Europacolon, que revela que “o cancro do intestino aumentou a incidência em 4,7% e a mortalidade em 14,12% entre 2019 a 2022”. Mas a subida mais expressiva foi mesmo na doença do pâncreas que aumentou 33%.

Os níveis de mortalidade foram em três anos maiores no cancro do intestino com 4809 mortes em 2022, seguido do pâncreas com 2086 e do estômago com 2578.

Em Portugal há cerca de 60 mil pessoas com cancro e cerca de um terço são cancros digestivos. Todos dos dias morrem 30 pessoas de cancro digestivo.

De acordo com Vítor Neves, Presidente da Europacolon, o padrão regional dos casos mantém-se. “Historicamente o Alentejo e Trás-os-Montes são os que têm mais peso no cancro gástrico e colon rectal e os técnicos associam à alimentação e vida sedentária”.

Falta ainda apostar na prevenção e no rastreio que segundo este responsável ajudariam a evitar muitos dos casos, sublinhando que “importante será que as unidades de cuidados de saúde primários valorizem a sintomatologia que os utentes transmitem nas consultas".

"Os médicos de família e centros de saúde têm uma importância muito grande na deteção precoce destas doenças e é necessário terem mais tempo para os doentes, ter ouvidos mais atentos mesmo com as pessoas mais novas abaixo dos 50 anos”.

Do novo executivo agora no ministério da saúde liderado por Ana Paula Martins espera mais medidas práticas, que saiam para o terreno e comecem a produzir efeitos.

“Esperamos que a ministra consiga implementar ações práticas porque estudos e planeamentos há muitos. Tivemos a estratégia nacional das doenças oncológicas quase dois anos na gaveta da ex-ministra Marta Temido, o que precisamos é de atitudes práticas junto das pessoas de investimento na prevenção e cuidados de saúde”.

Peditório Europacolon permitirá dar resposta que o SNS não dá

Arranca esta sexta-feira e até domingo o peditório nacional para a Europacolon, visa angariar fundos para continuar a disponibilizar por exemplo: consultas de psicologia e nutrição quase na mesma semana em que o paciente pede; segunda opinião clinica de um diagnóstico; seguimento de necessidades prementes que não são satisfeitas pelo SNS; apoio na ação social; linha de apoio psicológico para cuidadores informais”.

Quem quiser ajudar a Associação tem à disposição também o MBway 915 785 590, a Europacolon tem ainda disponivel no site o Iban para a realização transferência.