Diogo Ferreira olha com admiração para Diogo Costa, campeão europeu sub-17 em 2016: “É um percurso que gostava de ter"
15-05-2024 - 15:55
 • João Filipe Cruz

Bola Branca conversou com o dono das redes da jovem seleção que parte para o Chipre em busca do terceiro título europeu, depois de 2003 e 2016. Diogo Costa, do FC Porto, já o conseguiu e hoje é o número 1 dos AA. Ferreira quer o mesmo.

A menos de uma semana da estreia, a seleção sub-17 está com uma "enorme vontade" e com o sentimento de que vai "fazer um bom Europeu". Bola Branca esteve na Cidade do Futebol, em Oeiras, à conversa com Diogo Ferreira, o camisola 1 de uma equipa que viaja para o Chipre com o objetivo de conquistar o terceiro troféu do escalão.

Na bancada de um dos relvados do quartel-general das seleções, o guarda-redes de 17 anos não esconde a satisfação por estar entre os eleitos de João Santos para o Chipre. “É uma sensação muito boa. É sempre bom estar entre os melhores de Portugal. Sinto-me preparado, tenho estado a trabalhar bem e isto é sinal disso mesmo”, reconhece.

A missão no Chipre não se afigura fácil. Portugal encaixou no apelidado 'grupo da morte' com Espanha, França e Inglaterra (todos já sentiram a felicidade da conquista e mais do que uma vez). A exigência do grupo não assusta Diogo Ferreira.

“Não muda nada. Estamos cá para trabalhar, contra Espanha, França, Inglaterra ou outra seleção. Estamos a trabalhar bem. Temos o foco na nossa competição. É fazer o nosso melhor”, atira o guardião de 17 anos, descartando que a seleção esteja a preparar-se de forma diferente, tendo em conta a dificuldade dos adversários imediatos.

O jovem viseense já tem na língua o "no futebol não há favoritos", mesmo quando questionado sobre se a camisola portuguesa pesa na antecâmara destas competições.

O guarda-redes do Benfica vê o "grupo unido" e garante que os jovens internacionais se dão tão bem fora de campo que o "mostram lá dentro".

Portugal terminou a fase de qualificação só com vitórias, uma delas frente à Alemanha, campeã europeia em título nos sub-17. Com partida agendada para o Chipre esta sexta-feira, a seleção tem estreia marcada contra 'nuestros hermanos' na terça-feira.

Outro Diogo como referência, numa carreira que também se perspetiva sorridente

É fácil colar o rótulo de guarda-redes promissor a Diogo Ferreira, de um aperto de mão imponente - tal como o metro e 92 de envergadura e a chuteira tamanho 45 -, o discurso contido, tal qual o dos que já estão habituados a lidar com perguntas dos jornalistas.

E há coincidências entre este e um outro Diogo. Em 2016, ano em que Portugal conquista o segundo e último Campeonato da Europa da categoria, brilhava Diogo Costa, o atual número 1 da seleção. É uma coincidência que se mistura com referência.

"É um guarda-redes que admiro muito e para quem olho muito. É um percurso que gostava de ter e estou cá para trabalhar e, quem sabe, um dia ser igual a ele”, reconhece Diogo Ferreira sobre o guarda-redes do FC Porto.

Ainda assim, o jovem não esconde que a principal figura para quem olha é o de muitos outros portugueses, Cristiano Ronaldo. Nas balizas há outras: Neuer, Buffon e Ter Stegen, que continua a seguir, "nem que seja em highlights".

Diogo Ferreira assinou contrato profissional com o Benfica em julho do ano passado, com apenas 16 anos, algo "normal" e que "vem com a idade", para o viseense que, pouco tempo depois, em outubro, foi chamado por Roger Schmidt a um treino com o plantel principal dos encarnados. Sobre esse acontecimento, mais uma vez, revela pés assentes na terra: “Foi uma experiência muito boa”, diz.

Saúde mental "cada vez mais importante", ainda para mais nos guarda-redes

Diogo Ferreira não tem uma história incomum. Com 12 anos, o guarda-redes foi contratado pelo Benfica ao Lusitano FC Vildemoinhos e partiu de Viseu rumo à capital.

“No início custou, não vou mentir. Mas os colegas ajudaram, os misteres, a própria estrutura do clube ajudou muito e tornou tudo mais fácil”, admite, embora reconheça que "ajuda" o facto de os pais fazerem a mesma viagem com frequência.

Com passagens por Académico de Viseu e SC Penalva do Castelo, o jovem Diogo não vê dificuldades em conciliar o futebol profissional e a escola, embora reconheça que "também não é fácil", mas vai ficando.

Na formação e, sobretudo, em casos como o de Diogo, a saúde mental pode ser o factor diferenciador e o guarda-redes tem essa noção.

"Principalmente na minha posição – em que estás sempre em contacto com o erro – é muito importante trabalhar a parte mental. Numa seleção e num clube grandes temos de estar ainda mais preparados porque não somos chamados a intervir assim tantas vezes”.

O número 1 dos sub-17 portugueses admite que, cada vez mais, a preocupação pelo lado mental acompanha a do físico e muito parte dos clubes e da seleção.