Bispos preparam carta pastoral sobre matrimónio
Editado por Teresa Paula Costa
Inserido em 09-10-2018 17:04

Durante a reunião desta terça-feira foram ainda aprovados votos de congratulação pela nomeação de D. António Marto para o dicastério do Laicado, Família e Vida, e pelo facto de o português ter sido considerado língua oficial no sínodo para os jovens.

Na próxima assembleia plenária da Conferência Episcopal os bispos portugueses vão ter em cima da mesa uma carta pastoral sobre o matrimónio. A revelação foi feita esta terça-feira aos jornalistas, em conferência de imprensa pelo porta-voz da CEP, no final da reunião do Conselho Permanente, que serviu para preparar a agenda da reunião-magna de novembro.

Segundo o Padre Manuel Barbosa, este documento surge “no sentido de conjugarmos toda esta preparação para o matrimónio, que já existe, e também o acompanhamento a realizar depois da celebração do matrimónio, nos primeiros anos em particular, para que haja da parte da Igreja uma preocupação e uma atenção particular a todas as situações.”

Revelando que a carta pastoral vem “na linha da Amoris Laetitia e da Familiaris Consortio”, o sacerdote acrescentou que o seu conteúdo ainda não está completamente elaborado e lembrou que os próprios jovens, nas respostas que deram ao questionário feito para ser apresentado no Sínodo, “marcam a família como importante nas suas vidas.”

Outro documento a ser apresentado na assembleia de novembro tem a ver com a celebração dos 175 anos do Apostolado da oração em Portugal. Nesta Conferência de imprensa, o Padre Manuel Barbosa também revelou que a Conferência Episcopal decidiu enviar um donativo, cujo montante ainda não foi acertado, para a diocese de Tellecheri, na India, afetada por inundações.

Sobre o Sínodo dos jovens, o sacerdote disse que o assunto vai ser abordado pelos bispos em novembro e que, hoje, o Conselho Permanente tinha expressado um voto de congratulação por o Português ter sido considerado língua oficial no Sínodo. Outra congratulação saída desta reunião de hoje foi para o Cardeal António Marto, por este ter sido recentemente nomeado para o Dicastério do Laicado, Família e Vida.