Tempo
|
A+ / A-

"Abusos", "guerra" ou "inflação"? Já pode votar na "Palavra do Ano" de 2022

01 dez, 2022 - 12:45 • Pedro Valente Lima

São dez as finalistas a "Palavra do Ano" de 2022 em Portugal, em mais uma edição desta iniciativa da Porto Editora. A eleição decorre até 31 de dezembro.

A+ / A-

A Porto Editora já lançou as dez candidatas a "Palavra do Ano" de 2022. A votação decorre até ao último dia do ano, 31 de dezembro.

A lista é composta pelas seguintes palavras:

  • "Abusos"
  • "Ciberataque"
  • "Energia"
  • "Guerra"
  • "Inflação"
  • "Juros"
  • "Nuclear"
  • "Rainha"
  • "Seca"
  • "Urgências"

De acordo com a editora nortenha, "abusos" remete para a constituição da "comissão independente para investigar casos de abusos sexuais" na Igreja Católica portuguesa, "tendo já recebido mais de 400 denúncias" até ao momento.

"Ciberataque" refere-se aos diversos atáques informáticos que este ano atingiram "uma dimensão sem precedentes e afetaram gravemente diversos organismos e empresas". Só em Portugal, por exemplo, registaram-se ciberataques à TAP, à Segurança Social, ao jornal Expresso, ao Estado-Maior das Forças Armadas, ao Millennium BCP, à SONAE e a vários municípios do país.

O terceiro candidato, "energia", é justiciado pela crise energética que se sente na Europa, "devido à escassez e dificuldade de acesso a fontes de energia", que "tem tido um grande impacto na vida das famílias e das empresas".

"Guerra" deve-se ao conflito que ainda persiste no continente europeu desde o final de fevereiro. "A invasão da Ucrânia pela Rússia deu início ao maior conflito militar na Europa desde a Segunda Guerra Mundial".

Uma das maiores consequências deste confronto bélico foi, certamente, a "inflação", que "superou largamente a dos anos anteriores, atingindo o valor mais elevado desde 1992".

A par da crise inflacionista, surge o aumento das taxas de "juros", que têm causado aumentos sucessivos do "valor das prestações dos empréstimos bancários, criando dificuldades às famílias e às empresas".

Num ano marcado pela guerra na Ucrânia, pairou "o risco de um desastre nuclear", especialmente a partir das batalhas perto das centrais de Chernobyl e de Zaporíjia ou da escalada de tom do Presidente russo, Vladimir Putin. Daí a sétima candidata: "Nuclear".

Em 2022, tanto se assinalou o 70.º ano do reinado de Isabel II como o seu fim. A "Rainha" viria a falecer em setembro, aos 96 anos, tendo sido a monarca com o maior período de governação na história do Reino Unido.

A preocupação com a crise climática também passou por Portugal, especialmente no verão. A "seca" registada no país terá sido a pior dos últimos 100 anos.

E por último, as "urgências" aponta para a crise de encerramento destes serviços em vários centros hospitalares em Portugal, nomeadamente de obstetrícia e de pediatria.

De acordo com a Porto Editora, as dez palavras do ano permitem "traçar um retrato dos acontecimentos que marcaram a vida coletiva do país". No ano passado, "vacina" foi a vencedora.

Os vocábulos finalistas são escolhidos "através das sugestões recebidas no site da iniciativa, das pesquisas dos utilizadores feitas no Dicionário da Língua Portuguesa Infopedia e do trabalho permanente de observação e acompanhamento da realidade da língua portuguesa".

Pode votar na "Palavra do Ano" através do site palavradoano.pt.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Andrei
    02 dez, 2022 Mafra 15:30
    Acho que a palavra do ano deveria ser "seca"

Destaques V+