Tempo
|
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
A+ / A-

Música

Lenine: “Com o inominável” Bolsonaro, o Brasil perdeu a alegria mundana

25 nov, 2022 - 12:59 • Maria João Costa

O músico brasileiro está em Portugal numa digressão com o filho, o músico e produtor Bruno Giorgi. Toca sábado em Miranda do Corvo e domingo na Casa da Música no Porto. Lenine diz o projeto musical nasceu da conjugação de “pandemia e pandemónio” que o Brasil viveu no confinamento.

A+ / A-

Nem tudo o que a pandemia trouxe foi mau, é o que prova ‘Rizoma’, a digressão que o músico brasileiro Lenine criou com o filho, o músico e produtor Bruno Giorgi, e que agora chega aos palcos portugueses.

Pai e filho tocam este sábado na Casa das Artes, em Miranda do Corvo, e no domingo na Casa da Música, no Porto, depois de na quinta-feira terem pisado o palco do Casino do Estoril.

Em entrevista à Renascença, Lenine, que acabou de recuperar de uma infeção por Covid-19, conta como este projeto musical familiar surgiu durante a pandemia.

“No Brasil nós tivemos conjugados pandemia e pandemónio”, critica Lenine, que acrescenta que “houve uma conjugação de coisas que impôs uma distopia, uma realidade medieval”. Foi neste contexto que surgiu o Rizoma.

“O Rizoma só pode ser idealizado e realizado porque somos pai e filho, e apesar de todo o isolamento mantivemo-nos íntimos. Na hora de idealizar um projeto nós já nos vínhamos exercitando, criando e fazendo música”, explica o músico que já venceu 6 Grammy Latinos.

Esta cumplicidade musical, entre Bruno Giorgi e Lenine já dura há 10 anos, quando o filho começou a produzir os discos do pai. Nas palavras de Lenine, Bruno “é um grande misturador e um grande masterizador” e neste caso foi o “grande fomentador do espetáculo”.

Questionado sobre a origem da palavra ‘Rizoma’ que nomeia esta digressão, o artista pernambucano indica que “além do conceito da Botânica” que dá a ideia de raiz, este ‘Rizoma’, “tem um conceito filosófico do Deleuze que tenta dar essa palavra ao momento da criação, quando no meio do caos se faz uma ordem”, explica o músico.

“É um conceito que nos aproxima muito. Somos pai e filho, e mais do que tudo construímos um espetáculo em que a gente exercita, cada vez que sobe no palco, novas experimentações com cada uma daquelas canções”, sublinha Lenine.

O público português para quem Lenine gosta de tocar por ter “uma compreensão” da língua, vai poder ouvir no alinhamento músicas como “Castanho”, “Martelo Bigorna”, “Leve e Suave”, “O dia em que faremos contato”, “Paciência”, entre outras.

Sem nunca esquecer que o primeiro concerto que deu em Portugal foi no Barreiro, Lenine conta que acredita no poder da arte. “A arte é uma alavanca transformadora. Continuo acreditando no que faço, na maneira como faço e para quem eu faço. A música que faço é a crónica que realizo para espalhar para as pessoas o meu dia-a-dia, através do meu olhar”.

Os olhos de Lenine veem com expetativa a mudança política no Brasil. Sobre Lula da Silva a quem apoiou publicamente na campanha diz: “Ele ainda não assumiu e já conseguiu mudar uma atmosfera violenta, cruel, canalha que esse ser que ainda é presidente que eu me nego a dizer o nome, porque acho o inominável, impôs a agente”

Na opinião do músico o Brasil “perdeu a alegria mundana que via em qualquer lugar”. Perante a vitória de Lula da Silva, Lenine considera que o país está num “momento de celebração” do qual “não deve abrir mão”.

Reconhece que agora o Brasil vive “um retorno a um caminho coletivo”. Nas palavras do trovador, o país “está num processo que vai demorar”, por considerar que as marcas de Bolsonaro foram “sistemáticas”. “Todos os órgãos reguladores foram destruídos e esfacelados, por isso tem muita coisa para fazer no dia primeiro de janeiro” lembra Lenine a Lula da Silva, depois de dizer que é preciso por em marcha “a maior tecnologia que o homem já inventou que é a tecnologia do afeto”.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • João
    25 nov, 2022 Porto 13:12
    Os marxistas, em especial os comunistas, não suportam Bolsonaro. Compreende-se!

Destaques V+