Tempo
|
A+ / A-

Cinemas com maior número de espetadores desde 2020

05 ago, 2022 - 16:53 • Lusa

Mais de um milhão de pessoas foram ao cinema no mês de julho.

A+ / A-

As salas de cinema em Portugal ultrapassaram em julho a fasquia de um milhão de espectadores mensais, o que já não acontecia desde fevereiro de 2020, antes da pandemia, revelou hoje o Instituto do Cinema e do Audiovisual (ICA).

Segundo as estatísticas mensais divulgadas pelo ICA, em julho foram contabilizados 1.059.303 espectadores nas salas de cinema e cerca de seis milhões de euros de receita de bilheteira.

A última vez que em Portugal a exibição cinematográfica ultrapassou a fasquia mensal de um milhão de espectadores foi em fevereiro de 2020, com 1.170.097 bilhetes emitidos. Depois disso, só em outubro e em dezembro de 2021 é que os dados se aproximaram desse valor, com cerca de 900 mil espectadores mensais.

Comparando com julho de 2021, em julho passado registou-se um aumento de 75% no número de espectadores em sala.

Em julho, os três filmes mais vistos em salas portuguesas de cinema foram "Mínimos 2: A ascensão de Gru" (372.349 espectadores), "Thor: Amor e Trovão" (258.946) e "Top Gun: Maverick" (123.649).

A comédia de ação "2 Duros de Roer", de Victor Santos, com Fernando Rocha e João Seabra, foi o filme português mais visto em sala, em julho, com 30.186 espectadores.

Estreado a 14 de julho, este é o filme de produção nacional mais visto este ano, nos cinemas, ultrapassando a longa-metragem "Salgueiro Maia - O Implicado", de Sérgio Graciano, visto por cerca de 16 mil pessoas desde que se estreou, em abril passado.

Dos 5.064.824 milhões de espectadores contabilizados pelo ICA este ano, apenas 95.273 dizem respeito a pessoas que viram cinema português, o que representa uma quota de 1,9%.

Em matéria de receita de bilheteira, a quota é de 1,7%, com 49.892 euros registados em cinema português, para um total de 29,1 milhões de euros.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+