Tempo
|
A+ / A-

Cascais compra duas pinturas de Paula Rego para Casa das Histórias

02 ago, 2022 - 09:55 • Lusa

São duas obras "de grandes dimensões, criadas nos anos 1950, e são emblemáticas" do percurso da pintora, que morreu em junho.

A+ / A-

A Câmara de Cascais vai comprar este ano duas obras de Paula Rego (1935-2022), intituladas "Day" e "Night", para o acervo da Casa das Histórias, dedicada à divulgação da obra da artista.

Contactado pela agência Lusa, o presidente da Fundação D. Luís I, Salvato Teles de Menezes, membro da comissão paritária responsável pela atividade da Casa das Histórias Paula Rego (CHPR), em conjunto com Nick Willing, filho da pintora, precisou que a negociação com a família da artista decorria há algum tempo.

De acordo com Teles de Menezes, estas serão as primeiras obras de pintura adquiridas pela autarquia para o acervo da CHPR, inaugurada em 2009 para acolher, preservar e divulgar a obra da artista plástica portuguesa, composto atualmente por cerca de 600 gravuras e desenhos, contando com o universo inicial e doações posteriores da pintora - um acervo protegido pelo protocolo fundador, renovado até 2029.

"Há algum tempo que a câmara tem vindo a manifestar a intenção da aquisição à família de Paula Rego, e deverá ser concretizada até à inauguração da próxima exposição dedicada à obra da artista", uma das mais conceituadas pintoras portuguesas, falecida em junho, em Londres, aos 87 anos.

Prevista para inaugurar a 27 de outubro, a exposição terá por título "Histórias de Todos os Dias: Paula Rego -Anos 70", com obras da pintora, provenientes de Londres e do acervo da CHPR, em paralelo com outra mostra, em diálogo com obras da artista Salette Tavares (1922-1994).

Contactado pela Lusa, Nick Willing confirmou a negociação com a Câmara de Cascais, e que as duas obras em causa, "de grandes dimensões, criadas nos anos 1950, são emblemáticas" do percurso de Paula Rego. Disse ainda que, embora tenham sido pintadas em Londres, estiveram expostas nas paredes da fábrica do pai da artista, em Lisboa.

"O nosso interesse é vender algumas obras a preços mais acessíveis ou doá-las a instituições que as acolham com as melhores condições, e que nos garantam que serão expostas ao público. Esse é o nosso principal objetivo", disse o realizador, acrescentando que a família de Paula Rego quer "tentar também, sempre, que as obras vendidas sejam expostas na Casa das Histórias".

Paula Rego morreu a 8 de junho, em casa, rodeada pelos filhos e, nesse mesmo dia, o Presidente da República, depois de manifestar pesar pelo desaparecimento da pintora, destacou a importância da compra de obras da artista pela Fundação Calouste Gulbenkian, pedindo ao Estado e privados que completassem essa iniciativa.

Em janeiro deste ano, a Gulbenkian tinha anunciado a aquisição das obras de Paula Rego "O Anjo", de 1998, e "O Banho Turco", de 1960, duas das mais emblemáticas do percurso da pintora, tornando-se a instituição privada com "o maior e mais significativo acervo da artista, constituído por 37 obras", sublinhou, na altura.


Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+