Tempo
|
A+ / A-

Esther Mucznik defende investigação, mas rejeita fim da lei da naturalização de judeus sefarditas

19 mar, 2022 - 09:59 • Lusa

Reafirmando que vê "com bons olhos que se investigue", a especialista em temas judaicos admitiu a sua "pena pela situação" da Comunidade Israelita do Porto/Comunidade Judaica do Porto (CIP/CJP), em que membros da direção foram alvo de buscas e o rabino Daniel Litvak foi detido pelas autoridades na semana passada.

A+ / A-

A escritora Esther Mucznik considerou este sábado que as suspeitas levantadas pelo "caso Abramovich" sobre eventuais irregularidades na atribuição da nacionalidade portuguesa a descendentes de judeus sefarditas devem ser investigadas, mas sem que tal signifique o fim da lei.

"Acho que se deve investigar, mas não acabar com a lei. A lei não deve sofrer por causa disso. Em Espanha também houve problemas e há sempre pessoas que se aproveitam; agora, o mundo inteiro não tem de pagar por isso. Não é a lei que deve desaparecer ou ser culpabilizada, mas sim as pessoas que prevariquem", disse à Lusa a autora, que já integrou a direção da Comunidade Israelita de Lisboa (CIL).

Reafirmando que vê "com bons olhos que se investigue", a especialista em temas judaicos admitiu a sua "pena pela situação" da Comunidade Israelita do Porto/Comunidade Judaica do Porto (CIP/CJP), em que membros da direção foram alvo de buscas e o rabino Daniel Litvak foi detido pelas autoridades na semana passada, sob suspeita dos crimes de tráfico de influências, corrupção ativa, falsificação de documento, branqueamento de capitais, fraude fiscal qualificada e associação criminosa.

Apesar deste sentimento, Esther Mucznik realçou que este caso "ainda não está comprovado" e o rabino e líder religioso da CIP/CJP não deve ser julgado antes das provas obtidas em fase de investigação. .

Daniel Litvak terá sido responsável pela grande maioria (cerca de 88% entre 2015 e 2020, segundo dados do Ministério da Justiça) dos pedidos certificados neste período e submetidos ao Instituto dos Registos e Notariado (IRN).

"O que a lei exige realmente são provas documentais e culturais de ascendência judaica sefardita da época da Inquisição, ou seja, pessoas que tenham sido obrigadas a fugir pelas perseguições inquisitoriais e conversões forçadas. Não é fácil, mas consegue-se. A CIL leva o tempo necessário para comprovar essa ancestralidade", sustentou a também coordenadora da comissão instaladora do Museu Judaico, em Lisboa.

Assinalando o trabalho da comunidade sediada na capital portuguesa, onde "mais de 10 historiadores" e genealogistas analisam e decidem todos os pedidos que dão entrada nos serviços, Esther Mucznik lembrou a interpretação da lei pela CIL e algumas das principais diferenças face à atividade da CIP/CJP, que certificou a larga maioria destes processos. .

A divulgação da obtenção da nacionalidade portuguesa pelo empresário Roman Abramovich, em dezembro de 2021, através do jornal Público, veio a resultar na abertura de dois inquéritos: um pelo Ministério Público do Departamento Central de Investigação e Ação Penal (DCIAP) e outro pelo próprio IRN, que, entretanto, já assumiu que o mesmo originou um processo disciplinar, mas sem revelar o número de funcionários afetados pelo processo.

"O que nos interessa é a palavra tradição e a lei devia dizer claramente que certifica pessoas que comprovem a descendência judaico-sefardita de pessoas perseguidas pela Inquisição. Por isso, certificamos também não-judeus", notou, destacando a importância do "pacto de confiança" estabelecido com o Estado, quando ficou definido que "quem tinha mais possibilidade de dizer se uma pessoa era ou não descendente de judeu sefardita eram, de facto, as comunidades judaicas".

Para Esther Mucznik, a CIL tem feito "o possível e impossível para responder" a estes processos de naturalização com sucesso. Já sobre uma possível perda da nacionalidade portuguesa àqueles que a tenham obtido por via de meios irregulares, a autora considerou que se trata de matéria legal e evitou fazer comentários.

Em causa neste caso estarão alegadas irregularidades cometidas em processos de atribuição da nacionalidade portuguesa a descendentes de judeus sefarditas, que se encontram em investigação. Os judeus sefarditas são originários da Península Ibérica e foram expulsos de Portugal no século XVI.

Entre 01 de março de 2015 e 31 de dezembro de 2021 foram aprovados 56.685 processos de naturalização para descendentes de judeus sefarditas num total de 137.087 pedidos que deram entrada nos serviços do IRN. .

De acordo com dados enviados em fevereiro à Lusa pelo Ministério da Justiça, apenas 300 processos foram reprovados durante este período, restando, assim, segundo os dados registados no final do último ano, 80.102 pedidos pendentes.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+