Tempo
|
A+ / A-

Teatro de Almada dá a ver Shakespeare, Molière e novas criações

16 jan, 2022 - 10:48 • Maria João Costa com Lusa

Sete criações marcam a nova temporada da Companhia de Teatro de Almada. Há duas estreias que transitam da temporada anterior. E há também música e uma exposição sobre a coreógrafa Pina Bausch para ver no Teatro Joaquim Benite.

A+ / A-

No dia em que inaugurou uma exposição do fotógrafo José Frade sobre a coreógrafa Pina Bausch, a Companhia de Teatro de Almada (CTA) deu a conhecer a programação para os próximos meses. Programadas estão sete criações, duas das quais transitam da temporada anterior.

"Noite de reis", de William Shakespeare, com encenação de Peter Kleinert, e "O misantropo", de Molière, revisitada por Martin Crimp, com encenação de Nuno Carinhas, são duas das estreias adiadas da anterior temporada, devido à pandemia e que voltam a estar programadas.

"O misantropo" e "Noite de reis" estrear-se-ão, na sala principal do Teatro Joaquim Benite a 29 de abril e 7 de outubro, respetivamente. A temporada conta também com obras de Alexander Zeldin, Reiner Werner Fassbinder, Kenneth Grahame, Eurípides, e com a circulação de companhias e dos teatros nacionais, do país.

A abrir 2022 será levada à cena, a partir de dia 28, "Hipólito", de Eurípides, numa encenação de Rogério de Carvalho. Estreada na edição de 2021 do Festival de Almada, a peça com que a companhia assinalou o 50.º aniversário sucede, nas palavras do diretor da companhia, Rodrigo Francisco, a um texto de "um dos mais destacados dramaturgos ingleses contemporâneos". "Além da dor", de Alexander Zeldin estreia na sala experimental a 04 de março.

Ainda este ano, a companhia de Almada, fundada em 1971 por Joaquim Benite, abordará, pela primeira vez, a obra do dramaturgo, encenador e cineasta alemão Rainer Werner Fassbinder, com a adaptação para palco do filme "O medo devora a alma".

A peça será encenada por Rogério de Carvalho e estrear-se-á no dia 28 de outubro, na sala Experimental. A protagonizar o espetáculo estarão Cláudio da Silva e Teresa Gafeira que, este ano, encenará duas peças para a infância: "Ando a sonhar com Beethoven", com estreia a 19 de fevereiro, e "O vento nos salgueiros", de Kenneth Grahame, que se estreará em 1 de dezembro.

Num ano em que a CTA irá "praticamente duplicar o número de estreias anuais", a companhia continuará a acolher, ao longo do ano, as estruturas de criação públicas portuguesas, como a Companhia Nacional de Bailado, o Teatro Nacional de São Carlos, o Teatro Nacional D. Maria II e o Teatro Nacional São João que passaram a incluir, sistematicamente, a vinda a Almada nas suas temporadas.

O Teatro Municipal Joaquim Benite abre-se também à comunidade, acolhendo espetáculos de estruturas artísticas locais como a Casa da Dança, a Mostra de Teatro e a Companhia de Dança de Almada, referiu Rodrigo Francisco.

Esta temporada reflete o cuidado de levar ao palco espetáculos previstos para as duas últimas temporadas que acabaram por transitar para agora devido à pandemia e aos encerramentos do teatro em consequência desta, reforçou.

"Ilhas", uma criação do Teatro Meridional, "António e Cleópatra", de Shakespeare, "Monólogo de uma mulher chamada Maria com a sua patroa", de Sara Barros Leitão, "Noites de Caxias", pelo Teatro do Noroeste, "Don Juan", de Molière, e "Os cadáveres são bons para esconder minas", do Teatrão, de Coimbra, contam-se entre as peças de teatro a apresentar em Almada ao longo desta temporada, além das 13 peças direcionadas para a infância.

Mas o cartaz contempla também a música. Estão programados 14 concertos, entre os quais contam-se as atuações de Linda Martini, Cristina Branco, Os Músicos do Tejo e Rui Reininho, e também das orquestras Gulbenkian e Metropolitana de Lisboa. Estão também previstas quatro exposições ao longo de 2022.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+