Tempo
|
A+ / A-

Morreu César Batalha, o "Pai" do Coro de Santo Amaro de Oeiras

15 jan, 2022 - 11:28 • Redação

"A morte do maestro César Batalha deixa, não só Oeiras mais pobre mas o país e até o mundo", defendeu o presidente da Câmara de Oeiras.

A+ / A-

César Batalha, fundador do Coro de Santo Amaro de Oeiras, morreu esta sexta-feira, aos 76 anos.

O maestro português faleceu no Hospital Egas Moniz, onde estava hospitalizado.

A informação foi confirmada pelo Coro de Oeiras, numa publicação na conta oficial do Facebook.

"Na memória de todos os coralistas que passaram por aqui, fica uma personalidade forte e uma direcção de cheia vida e garra! Deixa saudades! Ficamos hoje todos mais pobres, mas ricos nas memórias que deixa!", lê-se no comunicado.

César Batalha, autor dos êxitos "Eu Vi um Sapo" e "A Todos um Bom Natal", dirigiu o grupo durante 50 anos.

O Presidente da República lamentou a morte do maestro, recordando-o como um artista cujas criações entraram no imaginário nacional.

"Há artistas cuja obra está indissociavelmente ligada ao seu nome. Mas há também casos em que as criações se desprendem do criador, porque entraram de tal forma no nosso imaginário que já não sabemos a sua origem. Isso aconteceu com César Batalha", escreveu o chefe de Estado, numa mensagem de pesar hoje divulgada.

Nesta nota, publicada no sítio oficial da Presidência da República na Internet, refere-se que César Batalha foi "maestro e fundador, adolescente ainda, do Coro de Santo Amaro de Oeiras".

"É difícil imaginar um português que nunca tenha ouvido o coro, ou que não tenha ouvido dois dos popularíssimos temas que o maestro compôs, "Eu Vi um Sapo", que venceu o Sequim de Ouro, e "A Todos um Bom Natal". Esse grupo vocal e essas canções representam a dupla consagração de um artista: ser conhecido pelo seu trabalho e ser menos conhecido do que o seu trabalho", acrescentou Marcelo Rebelo de Sousa.

A diretora artística do Coro Infantil Santo Amaro de Oeiras já regiu à morte do maestro. "O seu olhar meigo, o seu sorriso doce, ficarão para sempre na minha memória. Por cá, iremos continuar a sua grande obra. Até um dia meu querido”, escreveu num comunicado nas redes sociais.

Também Isaltino Morais, presidente da Câmara de Oeiras, lamentou a perda e referiu que "a morte do maestro César Batalha deixa, não só Oeiras mais pobre mas o país e até o mundo".

"Quando se deixa obra, nunca se morre, fica-se para além de nós mesmo. Assim será. O maestro manter-se-á connosco através do Coro, da sua sensibilidade, do seu amor pelo lugar, pela música, pela cultura", defendeu o autarca.

Maestro, compositor, organista e professor, César Batalha recebeu vários prémios nacionais e internacionais ao longo da sua carreira, como o Melhor Coro do Ano (1980) e a Medalha de Mérito Artístico da Câmara Municipal de Oeiras (1981).
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Olivio Pedrosa
    15 jan, 2022 Guia-Seixo 21:43
    É com grande tristeza que li a noticia do seu falecimento. Grande Maestro. Tive a oportunidade de de assistir a vários concertos, onde a minha filha fazia parte do coro de Sto Amaro de Oeiras. DESCANSE EM PAZ

Destaques V+