Tempo
|
A+ / A-

Leonor Xavier "exerceu sempre a sua liberdade”

13 dez, 2021 - 19:57 • Maria João Costa, com redação

Escritora e jornalista morreu aos 78 anos. Ministra da Cultura recorda "uma mulher que nos dizia sempre o que pensava".

A+ / A-

A ministra da Cultura, Graça Fonseca, recorda a escritora Leonor Xavier, que morreu no domingo aos 78 anos, como uma voz de liberdade

A autora e jornalista é lembrada por Graça Fonseca como alguém que sempre incentivou todos a dizerem o que pensam.

“Era uma mulher que nos dizia sempre o que pensava, que tinha uma liberdade interior e que nos convocava de uma forma muito extraordinária para a liberdade”, disse esta segunda-feira a ministra da Cultura.

Leonor Xavier foi uma “mulher da cultura, escritora e pensadora”, mas também deve ser recordada “como alguém que exerceu sempre a sua liberdade” e nos “incentivou sempre” os outros a serem livres, sublinha.

Graça Fonseca falava aos jornalistas à margem de uma visita ao Teatro Nacional D. Maria II que vai fechar portas e entrar em obras de remodelação no ano de 2023.

A escritora Leonor Xavier morreu no domingo, aos 78 anos, no Instituto Português de Oncologia, em Lisboa, onde estava internada desde novembro.

O velório decorre esta segunda-feira a partir das 17h00 na Capela do Rato, em Lisboa.

A missa de corpo presente terá lugar na terça-feira, no mesmo local, estando ainda por confirmar o cemitério para onde seguirá o funeral.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+