Tempo
|
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
A+ / A-

Setúbal expõe vida e obra de Florbela Espanca

03 dez, 2021 - 13:20 • Rosário Silva

Até 31 de dezembro, a Biblioteca Municipal de Setúbal acolhe duas exposições que dão a conhecer a poetisa nascida em Vila Viçosa, no âmbito do ciclo “Autor do Mês”, da responsabilidade do município sadino.

A+ / A-

A vida e a obra da poetisa Florbela Espanca estão na génese de duas exposições patentes, até ao final do mês, na Biblioteca Pública Municipal de Setúbal.

Organizada pela Sociedade Portuguesa de Autores, a mostra itinerante, fotográfica e documental, intitulada “Perdidamente”, é composta por 19 painéis que homenageiam a obra de Florbela Espanca e todos os que musicaram e cantaram os seus poemas.

“Nos painéis espalhados pelo segundo piso da biblioteca é possível ver imagens de trabalhos discográficos inspirados na obra de Florbela Espanca de cantores e compositores como Mariza, Cristina Bacelar, Simone de Oliveira, Tony de Matos, Ágata e Luz Sá da Bandeira, e de discos de poesia recitada por Eunice Munõz e Vítor de Sousa”, refere a nota de imprensa enviada à Renascença.

Há também “recortes de jornais do século XX com notícias sobre a morte de Florbela Espanca e homenagens que lhe foram prestadas a título póstumo, bem como crónicas escritas por diversos autores e poemas”, menciona.

A segunda exposição, de cariz biobibliográfico, reúne, em três vitrines localizadas na sala de leitura do rés-do-chão e no segundo piso, adianta o município de Setúbal, “livros da autoria de Florbela Espanca e outros de autores que escreveram sobre a vida e obra da poetisa, pertencentes ao espólio da Biblioteca Pública Municipal de Setúbal”.

Florbela Espanca, que nasceu em 1894 em Vila Viçosa, foi uma das primeiras mulheres portuguesas a frequentar o curso secundário no Liceu Masculino André de Gouveia, na cidade de Évora, onde concluiu o curso de Letras, e a primeira a ingressar no curso de Direito da Universidade de Lisboa.

A sua obra literária, iniciada quando tinha apenas 9 anos, “é inspirada numa vida intensa e conturbada do ponto de vista sentimental, marcada pela rejeição do pai, pela morte prematura do irmão e por relações amorosas instáveis”, refere a sua biografia.

Aos 36 anos, quando morreu em Matosinhos, tinha duas obras publicadas: “Livro de Mágoas” e “Livro de Sóror Saudade”. Preparava-se para lançar um terceiro trabalho, “Charneca em Flor”, que viria a ser publicado em 1931, um ano depois da sua morte.

A título póstumo foram também publicados “Cartas de Florbela Espanca”, “Juvenília” e “As Marcas do Destino”, os três por Guido Battelli, um novo livro de “Cartas de Florbela Espanca”, por Azinhal Botelho e José Emídio Amaro, “Diário do último ano seguido de um poema sem título”, com prefácio de Natália Correia, e “Dominó Preto”.

Estas exposições que agora chegam a Setúbal, realizam-se no âmbito do projeto municipal “Autor do Mês”. Podem ser visitadas até dia 31 de dezembro, de segunda a sexta-feira das 09h00 às 19h00 e ao sábado, das 14h00 às 19h00.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+