Tempo
|
A+ / A-

​Ex-deputada Ana Rita Bessa é a nova CEO da LeYa Portugal

29 nov, 2021 - 13:25 • Maria João Costa

Ana Rita Bessa regressa ao grupo editorial, onde trabalhou entre 2010 e 2015. Vai substituir Isaías Gomes Teixeira como presidente executiva na administração da LeYa.

A+ / A-

É um regresso a casa. Ana Rita Bessa, que foi até há pouco tempo e nas últimas duas legislaturas deputada pelo CDS-PP, volta a integrar a equipa da LeYa Portugal, onde esteve entre 2010 e 2015 como diretora da LeYa Educação. Foi eleita administradora da LeYa SA (Portugal).

Em comunicado divulgado esta segunda-feira, o grupo editorial que detém chancelas como a D. Quixote, Caminho, Asa ou Casa das Letras informa que Ana Rita Bessa “assumirá as funções de CEO”. No mesmo comunicado pode ler-se que “Isaías Gomes Teixeira, que até agora detinha essa função” passa a Presidente do Conselho de administração.

Há também outras mudanças na estrutura da empresa. “Tiago Morais Sarmento e Pedro Marques Guedes, até agora, respetivamente, COO e CFO da LeYa SA, passam a Administradores não-executivos da empresa”.

Licenciada em Economia e com um mestrado em Ciências Educativas, Ana Rita Bessa, de 48 anos, foi deputada nas duas últimas legislaturas pelo CDS-PP. Deixou o parlamento no final de setembro, altura em que renunciou ao cargo de deputada centrista.

No seu currículo foi também diretora do projeto Escolas de Futuro” da EPIS - Empresários pela Inclusão Social, entre 2008 e 2010. Esteve antes, entre 2000 e 2008 como diretora da IOL.pt da Media Capital. Passou também pela Unilever e foi assistente nos cursos de Economia e Gestão da Universidade Católica Portuguesa.

Em comunicado, a LeYa Portugal destaca que “além da operação em Portugal, o Grupo LeYa tem também operações em países africanos de expressão portuguesa e uma operação no Brasil, de ensino universitário à distância, na qual é líder no segmento de pós-graduação”.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+