Tempo
|
A+ / A-

Escritora Isabel da Nóbrega morre aos 96 anos

02 set, 2021 - 19:48 • Lusa

A escritora, jornalista e tradutora Isabel da Nóbrega, autora de "Viver com os outros", morreu hoje, no Estoril, aos 96 anos, disse à Lusa fonte familiar.

A+ / A-

A escritora, jornalista e tradutora Isabel da Nóbrega, autora de "Viver com os outros", morreu esta quinta-feira, no Estoril, aos 96 anos, disse à Lusa fonte familiar.

A escritora estava internada num lar há alguns meses e teve morte natural, adiantou a mesma fonte.

O velório terá lugar na sexta-feira, na Basílica da Estrela, em Lisboa, em hora ainda a definir, acrescentou.

Nascida Maria Isabel Guerra Bastos Gonçalves, em Lisboa, no dia 26 de junho de 1925, adotou o pseudónimo Isabel da Nóbrega, com que assinava os seus trabalhos.

Escreveu para teatro, rádio e televisão e também milhares de crónicas para diversas publicações.

Estreou-se na ficção literária com "Os Anjos e os Homens", em 1952, tendo sido consagrada com o romance "Viver com os outros" (1964). Assinou também trabalhos como "O filho pródigo", peça de teatro representada no Teatro Nacional D. Maria II, em 1954, pela então residente companhia Rey Colaço-Robles Monteiro.

Ao longo da carreira publicou livros como "Solo para gravador" (1973) e "Cartas de Amor de Gente Famosa" (2009), para além de ter escrito uma apresentação para "O Cântico dos Cânticos", de Salomão, publicado em 1966 pelos Estúdios Cor, que também editaram, nesse mesmo ano, "Já não há Salomão...", da autora, com desenhos de Sá Nogueira e prefácio de José Saramago.

Isabel da Nóbrega, que foi companheira de José Saramago, traduziu livros como "Guerra e Paz", de Tolstoi, "Tempo para amar tempo para morrer", de Erich Maria Remarque, ou "Pago para matar", de Graham Greene.

De acordo com o Centro de Estudos de Teatro da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, Isabel da Nóbrega escreveu ainda as peças "A Cigarra e as Formigas" (1971), encenada na Casa da Comédia, e "O Filho de Rama" (1998), levada ao palco de A Barraca e da Sociedade de Instrução Guilherme Cossoul.

Ao longo da vida foi galardoada com o Prémio Camilo Castelo Branco, Prémio de Literatura Infantil e Juvenil, Prémio de Consagração de Carreira da Sociedade Portuguesa de Autores e Prémio Femina por Mérito na Literatura.

Integrou o grupo fundador do jornal A Capital, no qual colaborou como cronista, bem como nos jornais Diário de Lisboa, Diário de Notícias e Primeiro de Janeiro, na revista Vida Mundial e nas rádios Antena 1, Antena 2 e RDP Internacional, na qual manteve um programa chamado "O Prazer de Ler", de segunda a sexta-feira.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+