Tempo
|
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
A+ / A-

Promotores de Espetáculos querem 2,5% da bazuca europeia para a Cultura

23 mar, 2021 - 20:55 • Redação

“É urgente classificar a situação atual na cultura como de calamidade nacional e regular a sua aplicação ao setor”, defende o manifesto da APEFE.

A+ / A-

A Associação de Promotores de Espetáculos Festivais e Eventos (APEFE) reivindica 2,5% das verbas da bazuca europeia para a cultura, que considera estar em situação de “calamidade” devido à pandemia de Covid-19.

No manifesto “Sem cultura, não há futuro”, enviado à Assembleia da República, a APEFE acusa o Governo de falta de coragem e defende um pacote de medidas para evitar uma tragédia no setor.

“É urgente classificar a situação atual na cultura como de calamidade nacional e regular a sua aplicação ao setor”, sublinham os signatários.


A APEFE não compreende que a Cultura tenha sido excluída das prioridades do Plano de Recuperação e Resiliência (PRR) e reivindica 2,5% do valor da “bazuca europeia”, uma verba a rondar os 112 milhões de euros.

Neste manifesto, a associação também defende a criação de uma “linha de crédito específica para o setor cultural, com carência de dois anos, maturidade a seis e conversão de parte em subvenção não reembolsável de apoio à produção e manutenção de emprego”.

Outras medidas passam pelo incremento de projetos de dinamização cultural em todo o país,

benefícios fiscais para empresas que mantenham ou intensifiquem o seu investimento no apoio a iniciativas e espetáculos culturais e uma “verdadeira Lei do mecenato”.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+