Tempo
|
A+ / A-

Jay-Z põe pedaço do Quarteto 1111 em novo disco

30 jun, 2017 - 14:39

"Sample" de canção do grupo de Tozé Brito e José Cid é usado em "Marcy Me", canção de “4:44”.

A+ / A-
Ouça o que Jay-Z fez com "Todo o Mundo e Ninguém" do Quarteto 1111
Ouça o que Jay-Z fez com "Todo o Mundo e Ninguém" do Quarteto 1111

O “rapper” norte-americano Jay-Z utilizou amostras (“samples”) do tema “Todo o mundo e ninguém” do grupo português Quarteto 1111, editado em 1970, num dos temas do seu novo álbum, “4:44”, editado esta sexta-feira na plataforma de “streaming” Tidal.

“É uma honra perceber que estes anos todos depois há pessoas atentas à nossa obra e a ouvi-la”, afirmou à Lusa o músico e compositor Tozé Brito, que, com José Cid, compôs “Todo o Mundo e Ninguém”.

Para Tozé Brito e José Cid “foi uma surpresa”. “A canção foi gravada em 1970, saiu num ‘single’ e, para nosso espanto, foi apenas recuperada nos anos 1990 numa antologia do Quarteto 1111”, recordou.

Os dois artistas foram contactados pela editora de Jay-Z pedindo autorização para que o ‘rapper’ compusesse um tema “usando ‘samples’ da canção, inclusivamente vozes”, tendo respondido “com certeza que sim”.

“É uma honra que uma pessoa com o estatuto dele, a grandeza, a carreira que tem e o nome que tem, esteja a usar 47 anos depois de a canção ter sido escrita, uma canção que nós escrevemos. Isto para nós é uma honra”, sublinhou Tozé Brito.

A autorização foi “negociada”, mas Tozé Brito escusa-se a adiantar montantes. “Os números não vou divulgar, são confidenciais. Uma parte dos direitos de autor da canção vai para o José Cid e para mim”, disse.

Como Jay-Z chegou à canção original continua ainda como uma "grande dúvida”. “Ainda não consegui perceber como é que ele chegou à obra do Quarteto 1111, sendo que estamos a falar de uma canção de 1970, reeditada em CD nos anos 1990”.

Apesar disso, o importante “é que chegou”. “E isso honra-nos muito, porque quer dizer que a obra do Quarteto 1111 é considerada, é ouvida, às vezes por pessoas que nem nós suspeitamos que a podem ouvir”, afirmou.

“Todo o mundo e ninguém” foi escrita “sobre um poema de Gil Vicente”. Na altura, o Quarteto 111 tinha “muitos discos proibidos pela censura”, então Tozé Brito e José Cid recorriam “a textos da literatura que não eram censuráveis”, mas continham críticas.

“Este tema é uma crítica social muito forte, e era por isso que íamos buscar estes textos”, recordou o compositor.

O novo disco de Jay-Z, “4:44”, sucessor de “Magna Carta Holy Grail”, de 2013, foi disponibilizado esta sexta-feira em exclusivo na plataforma de “streaming” Tidal, criada por aquele “rapper” e produtor.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+