Siga-nos no Whatsapp
A+ / A-

Entrevista Renascença/Ecclesia

Violência no Porto "nada tem a ver com os imigrantes"

16 jun, 2024 - 09:30 • Henrique Cunha (Renascença) e Octávio Carmo (Ecclesia)

Em entrevista à Renascença e Agência Ecclesia, Fernando Paulo, vereador do município do Porto, defende que a diversidade cultural é uma oportunidade para o município e para a cidade. Nesta entrevista, por ocasião do Dia Mundial da Consciencialização da Violência contra as Pessoas Idosas, o responsável pela Coesão Social na autarquia lembra que Porto é a cidade mais envelhecida do país tem "cerca de 33 mil pessoas com mais de 65 anos a viverem sozinhas."

A+ / A-
Ouça aqui a entrevista a Fernando Paulo, vereador Câmara do Porto
Ouça aqui a entrevista a Fernando Paulo, vereador da Câmara do Porto. Foto: Lara Castro

O vereador da Coesão Social da Câmara do Porto, Fernando Paulo, diz que o fenómeno de violência crescente na cidade "nada tem a ver com os imigrantes"

”Temos uma comunidade migrante legalizada com mais de 23 mil imigrantes na cidade, as nossas escolas públicas do pré-escolar ao 12º ano têm 3.200 alunos e não temos questões de insegurança, bem pelo contrário”, diz o autarca, em entrevista à Renascença e à Agência Ecclesia.

Fernando Paulo defende que a diversidade cultural é uma oportunidade para o município e para a cidade: "É uma oportunidade de educar para a diversidade, para a tolerância, para os valores."

O responsável sublinha a necessidade de se dar particular atenção ao envelhecimento da população. O Porto é a cidade mais envelhecida do país e “há cerca de 33 mil pessoas com mais de 65 anos a viverem sozinhas".

De acordo com o vereador portuense, 20 por cento destas cerca de 33 mil pessoas estão "em risco de isolamento e exclusão” e há muita gente "a viver em condições de grande indignidade".

“A Comissão Municipal de Apoio ao Idoso procura envolver não só o município, mas as Juntas de Freguesia, a Segurança Social, os serviços de saúde e outras organizações não-governamentais, no sentido de podermos criar um radar que permita quebrar a invisibilidade e sabermos onde é que estão os idosos a viver em situação de isolamento”, relata.

Nesta entrevista, por ocasião do Dia Mundial da Consciencialização da Violência contra as Pessoas Idosas, o responsável pelo pelouro da Coesão Social na Câmara do Porto deixa ainda outro número que merece reflexão: no distrito, há cerca de 600 pedidos de urgência a aguardar vaga em estrutura residencial para pessoas idosas. "As respostas são insuficientes para as necessidades."

"A expansão do envelhecer não é um problema, é sim uma das maiores conquistas da humanidade"

A Câmara do Porto está a desenvolver um plano para responder aos desafios do rápido envelhecimento. Quais são os desafios deste plano? O principal problema está relacionado com a segurança e com o isolamento?

Sem dúvida. Antes de mais, o Porto tem vindo a assistir a uma taxa de envelhecimento crescente. Temos uma taxa que ronda os 220%, o que nos coloca, de facto, como a cidade mais envelhecida do país. Portugal é o quinto país mais envelhecido do mundo e, portanto, há desafios que se colocam. Proporcionar um envelhecimento ativo é um desafio, mas, sobretudo, temos de olhar para aquilo que é a realidade da nossa população idosa, sénior. Por isso, constitui-se este plano para dar uma resposta a este rápido envelhecimento da população, porque o isolamento e a solidão são um dos problemas maiores que atingem esta população sénior.

O plano prevê a criação de uma comissão para sinalizar idosos em isolamento e exclusão. Esse trabalho está feito, há uma ideia mais exata de qual é a realidade no Porto?

Temos cerca de 33 mil pessoas com mais de 65 anos que vivem sozinhas e, destas, há um número significativo que está em risco. Cerca de 20% dos nossos idosos têm problemas graves a este nível e, portanto, a Comissão Municipal de Apoio ao Idoso procura envolver não só o município, mas as Juntas de Freguesia, a Segurança Social, os serviços de saúde e outras organizações não-governamentais, no sentido de podermos criar um radar que permita quebrar a invisibilidade e saber onde é que estão os idosos a viver em situação de isolamento e que têm problemas que carecem de uma resposta específica.

O grande objetivo é criar um radar para quebrar o isolamento. Inspiramo-nos muito na altura da Covid, porque percebemos que, em muitas das situações que nos apareciam, muitos dos nossos idosos não tinham qualquer laço de vizinhança, qualquer laço com as suas famílias e, de facto, viviam sós, abandonados, com problemas e necessidade de respostas concretas.

"Somos acérrimos defensores do princípio da subsidiariedade"

Não seria necessária uma estratégia alargada, uma estratégia metropolitana para se perceber a dimensão do problema e para se preparar a uma ação concertada e mais eficaz?

Sim. Enquanto humanidade, hoje, temos vários desafios. A pobreza e a exclusão social estão muito presentes na nossa sociedade. Portugal tem cerca de 18% de pessoas a viver em situação de pobreza e exclusão social. Invariavelmente, os grupos mais atingidos são os vulneráveis, entre os quais temos a nossa população idosa.

E é necessário adequarmos as respostas às necessidades. Hoje, temos de personalizar também as respostas, em função da especificidade das necessidades da população. Temos um conjunto de população sénior que está relativamente incluída, inserida na comunidade, mas que precisa de serviços adaptados às suas necessidades.

Temos outras pessoas que, fruto deste envelhecimento, padecem hoje de determinadas respostas, algumas tradicionais, como a Estrutura Residencial para Pessoas Idosas ou apoio domiciliário, Centro de Dia ou Centro de Convívio, que não chegam… As respostas hoje são manifestamente insuficientes para essas necessidades.

Também temos de introduzir aqui a questão da inovação social, encontrar novas respostas para novas necessidades e novas exigências. E temos, sobretudo, de prevenir e também de investir muito no chamado envelhecimento ativo. Percebemos que, muitas vezes, a população idosa é como se perdesse cidadania e nós queremos que a cidade, as pessoas possam ter uma vida ativa e plena em todas as fases da vida, que o envelhecimento seja prazeroso e que as pessoas não percam a cidadania, que possam ser cidadãos de plenos direitos e plenos deveres, perfeitamente inseridos na comunidade. Isto é muito desafiante.

Olhando para a cidade e sabendo dos problemas de habitação, que são amplamente noticiados, pergunto se entre estes idosos isolados ou abandonados têm sido detetadas situações de pessoas sem-abrigo?

Sim, nós apresentámos há poucos dias o número das pessoas em situação de sem-abrigo na cidade. Felizmente, diminuímos em 11% o número das pessoas que, de acordo com a definição da estratégia, vivem em condição de sem-abrigo, mas aumentou o número de pessoas sem teto, que vivem na rua. E também aumentou o número da população idosa que está, de facto, desprotegida e que está a viver na rua.

A questão da habitação é um problema estrutural. É um dos pilares sociais que mais tem sido difícil de concretizar no nosso país. Aliás, a Lei de Bases da Habitação tem três ou quatro anos, portanto, vai atingindo, de facto, muito a nossa população e a população idosa. Para além do problema do acesso à habitação, também temos muita população idosa que está a viver em condições de grande indignidade, ou seja, não estando desprotegida, as condições de habitação em que vive são, de facto, muito indignas e também temos procurado atuar a esse nível.


"Temos que desconstruir preconceitos"

Que papel têm as instituições sociais e da Igreja Católica no processo?

Naturalmente que têm um papel fundamental. Costumo dizer que o Serviço Nacional de Respostas Sociais é assumido pelas Instituições Particulares de Socialidade Social, em que a Igreja Católica tem um papel extraordinariamente importante, através das suas respostas sociais.

Aliás, na cidade do Porto, a obra de Diocesana de Promoção Social, que foi constituída pela Igreja Católica conjuntamente com a Câmara e a Segurança Social, é a maior instituição particular de socialidade da cidade. Dá resposta a mais de duas mil pessoas, diariamente, nas mais diversas valências em que o apoio domiciliário, as Estruturas Residenciais para Pessoas Idosas, centros de dia, centros de convívio assumem um papel fundamental, não só pela resposta que dão, mas pela resposta humanizada.

Hoje é um desafio que se coloca: a democratização no acesso aos diversos serviços, mas também a possibilidade deste serviço oferecer, além da questão hoteleira, de saúde, da alimentação, os serviços sociais e básicos. Também é uma resposta humanizada e, de facto, a tradição e as respostas assumidas pelas IPSS, especialmente as ligadas à Igreja, têm sempre um cunho que vale a pena salientar: é um serviço muito humanizado, muito próximo das pessoas, acionando o voluntariado. Isto é extraordinariamente importante. Temos de humanizar as pessoas porque, humanizando as pessoas, humanizamos a cidade.

"Temos de humanizar as pessoas porque, humanizando as pessoas, humanizamos a cidade"

Começamos esta conversa pelo plano "Porto Cidade Amiga das Pessoas Idosas", que vai até 2025. A autarquia tem intenção de prolongar este plano no tempo?

Sem dúvida. Nós vamos fazer as terceiras jornadas "Porto Cidade Amiga das Pessoas Idosas", já em setembro, para fazer a avaliação de um ano de implementação deste plano. Este é um compromisso social com a cidade. Este plano tem cerca de 80 ações, envolveu mais de 70 organizações, queremos criar uma cidade consciente do dever de proteger, de apoiar os nossos idosos e criar condições para que todos possam ter uma vida ativa e plena.

Hoje, os desafios que se colocam estão em várias dimensões, porque proporcionar este envelhecimento ativo faz com que exista um conjunto de determinantes que são fundamentais. Por isso, envolvemos as várias unidades orgânicas do município, mas também os baixos setores de atividade: a questão dos transportes, a questão do espaço público, a questão da animação, a questão do acesso ao desporto, a humanização dos serviços de saúde, o apoio à proteção social, a questão das acessibilidades, são um conjunto de fatores que contribuem para esta cidade mais igual, para esta cidade mais coesa e nós temos de estar atentos a essas situações. Os idosos só podem sair de casa se nós derrubarmos barreiras físicas, se criarmos um transporte amigável das pessoas, se os jardins e o espaço público forem seguros. Pode ter a questão dos animais, das trotinetes, dos bebedouros, dos bancos, dos sanitários, há aqui um conjunto de determinantes. Temos de estar atentos a isso e o plano procura, de facto, responder e responsabilizar toda a cidade nesta proteção.

Que importância tem o facto de o Porto integrar a rede mundial de cidades amigas das pessoas idosas e, já agora, que mais cidades portuguesas possam integrar esta rede?

Sim, já mais de mil cidades de 55 países integram esta rede, que foi criada pela Organização Mundial de Saúde. Aquilo que aprendemos, socorrendo-me das palavras do antigo secretário-geral da ONU Kofi Annan, é que a expansão do envelhecer não é um problema, é sim uma das maiores conquistas da humanidade. O que é necessário é traçarmos políticas ajustadas para um envelhecimento são, autónomo, ativo e plenamente integrado.

Temos vindo a trabalhar com a Organização Mundial de Saúde porque acreditamos muito neste projeto e o Porto não quer estar isolado nem quer dizer que é a única cidade que tem um plano. Queremos criar um movimento, para que esta rede se expanda no plano nacional, já iniciamos contactos, houve uma reunião em Faro e estamos em contacto também com o escritório na Europa da OMS, no sentido de podermos também ser um estímulo e um apoio para criar - numa cooperação interministerial ao nível do governo e depois nos municípios - uma estratégia de expansão da rede. Numa primeira fase, a OMS não contava com os municípios para a expansão desta rede e parece-nos que ela pode expandir-se mais rapidamente responsabilizando os municípios, pela capacidade que têm em poder envolver mais organizações no princípio da subsidiariedade, que aliás, é um princípio da Doutrina Social da Igreja.

"Nós [no Porto] não temos questões de insegurança, bem pelo contrário"

Olhando para a questão da violência sobre pessoas idosas, uma das realidades mais cruéis é a do abandono hospitalar, apesar do esforço do Estado e de instituições. Aquilo a que se chama "internamentos sociais", o seu número, não para de aumentar. Vomo é esta a realidade no Porto e que contributo é que a autarquia pode dar para superar este fenómeno?

A nossa rede social, neste momento, conta com 326 organizações e temos as comissões sociais de freguesia organizadas. Procuramos que todo este trabalho da área social seja um trabalho partilhado, de corresponsabilidade, de um diagnóstico conjunto e também de uma partilha de responsabilidades, de complementaridade nas respostas que é necessário dar. Temos vindo a trabalhar com os hospitais, também com a Segurança Social, no sentido de identificar o problema e de poder adequar as respostas às necessidades. Neste momento, no distrito do Porto, a Segurança Social terá mais de 600 pedidos de urgência, de situações de vulnerabilidade, a aguardar vaga em estrutura residencial para pessoas idosas. Ou seja, é necessário investirmos fortemente - o Estado Central, que não descentralizou para as autarquias as respostas sociais - apesar de as autarquias terem aqui uma grande responsabilidade.

Haverá nesta altura cerca de 600 pessoas em internamento social, é isso?

Não, não. Estou a falar de situações que estão a aguardar por resposta e que pertencem a grupos vulneráveis. No distrito do Porto, estão identificados pelos serviços de atendimento social e sinalizados pelos hospitais à volta de 600 pessoas a aguardar resposta em estrutura residencial para pessoas idosas.

Nos nossos hospitais, na situação de Covid, chegamos a ter, no Porto, à volta de 150 pessoas que tinham alta clínica e não tinham para onde ir. Com o fim do Covid, essa situação foi resolvida, mas, neste momento, temos, outra vez, situações que se estão a acumular.

Não tem ideia do número?

Neste momento, não temos um número concreto, mas andará muito próximo da centena, das 100 pessoas, outra vez. Portanto, há necessidade de olhar para esta realidade. É preciso investir e não apenas em estruturas residenciais para pessoas idosas, porque há aqui uma evolução hoje também na prestação dos cuidados de saúde.

Parte-se do princípio de que no domicílio as pessoas têm as condições para lhes ser assegurada a continuidade de um conjunto de apoios e de acompanhamento, mas isso, de facto, não acontece. Precisamos de investir mais em cuidados continuados de média e longa duração, precisamos de estruturas também intermédias entre a alta clínica e aquilo que são a resposta para o regresso ao lar. Mas a estrutura familiar, hoje, também se alterou profundamente e, portanto, temos que criar respostas diferenciadas, porque aquilo que é a realidade da alta clínica de um hospital não corresponde àquilo que é a possibilidade, no seio familiar, de a pessoa poder convalescer e recuperar totalmente no domicílio.

"Precisamos de investir mais em cuidados continuados de média e longa duração"

Até que ponto a descentralização de competências na área que tutela pode tornar mais eficaz a intervenção? Houve uma grande resistência por parte dos municípios, em particular por parte do município do Porto, ao processo de descentralização e de transferência de competências nesta área. Está pacificada essa situação?

Completamente pacificada. Ainda bem que coloca essa questão, e a história há-de repor aquilo que foi a verdade dos factos. Aliás, as ministras Ana Abrunhosa e Ana Mendes Godinho sabem que foi o Porto que lhes levou a esta situação e que fez com que o Governo alterasse aquilo que era os cerca de 50 milhões iniciais para a descentralização na área social e passasse para 90 milhões de euros.

Nós levámos uma questão concreta e assumimos um compromisso que foi o seguinte: nós não concordávamos que nos passassem processos cujo volume processual para acompanhar famílias vulneráveis, ao nível do RSI [Rendimento Social de Inserção] e do SAS [Serviço de Ação Social], fosse à volta de 500 processos por técnico. Isso era impossível. E nós demonstramos que era isto o que estava previsto.

Portanto, o Governo reviu - e bem - a situação, alterou-se este rácio para 100 processos por técnico e o Porto, há cerca de um mês, fez uma avaliação e o balanço que foi extremamente positivo. Defendemos o princípio da descentralização, sempre estivemos de acordo com ele; apenas exigíamos que houvesse o número mínimo de técnicos capaz de ajudar a criar oportunidade. E hoje os números estão à vista. Aliás, o número de pessoas em situação de sem-abrigo diminuiu e nós somos acérrimos defensores do princípio da subsidiariedade, porque estando mais próximos, conseguimos implicar melhor os técnicos, capacitar, qualificar, coordenar todo este trabalho, gerar complementaridades e fazer as articulações que é necessário. Entre as questões de gênero, entre as questões da violência doméstica, questões de idosos, questões da proteção de crianças e jovens em risco, de famílias com grupos mais vulneráveis, de todas estas situações.

Criámos, recentemente, o núcleo de garantia para a infância, estamos com o plano de ação Porto cidade Amiga das Pessoas Idosas, o Plano Municipal de Saúde, vamos assinar agora o protocolo no âmbito da referenciação da rede de violência doméstica, estamos a atualizar o nosso diagnóstico do plano de desenvolvimento socia e a elaborar também o plano municipal de combate à pobreza. Portanto, achamos que, do ponto de vista local, nesta articulação com todas as entidades, conseguimos gerar uma maior oportunidade para a inclusão, para a inserção e sobretudo para que todos os cidadãos possam aceder àquilo que a cidade tem para oferecer.

"Somos seres de relação e é na relação com os outros que somos verdadeiramente pessoas"

Começamos esta conversa por recordar o Dia Mundial da Consciencialização da Violência contra as Pessoas Idosas, que se assinalou no sábado. Este é um fenómeno particularmente chocante. Como olha para os casos que se vão verificando? Teme que um agravamento da crise económica possa criar novas situações de violência?

Sem dúvida. A questão de violência é uma questão que nos deve ocupar. Violência sobre qualquer pessoa e, naturalmente, sobre os grupos mais vulneráveis, aqueles que não têm voz e que vivem em situação de maior isolamento e de invisibilidade. É nossa preocupação primeira e. por isso. este plano de ação tem algumas medidas concretas no sentido de combater a invisibilidade. Mas acreditamos muito também que temos de ser motores de mudança, fazer a pedagogia do envelhecimento, também da cidadania, da questão dos valores, da ética, o investimento na educação, na preparação e na qualificação dos nossos técnicos. Sobretudo devemos criar as condições para olhar a outra pessoa na sua dignidade, nos seus direitos humanos e devemos preparar os serviços para combater todas as formas de violência. É isso que nós temos feito, por exemplo, ao nível das comunidades migrantes. Muitas vezes há estereótipos e preconceitos face a determinados grupos.

Mas houve um aumento de insegurança com a imigração no Porto ou não?

Não, nós não ligamos um facto ao outro. Às vezes, a comunicação social liga estas questões.

A comunicação social dá eco do que diz a sociedade e os atores políticos...

Sim, aqui, entendam, não era uma crítica à comunicação social. Às vezes, dá voz a essas questões, mas nós não fazemos uma ligação direta.

Nós temos uma comunidade migrante hoje legalizada com mais de 23 mil imigrantes na cidade. As nossas escolas públicas, do pré-escolar ao 12º ano, têm 3.200 alunos. Nós não temos questões de insegurança, bem pelo contrário. É uma oportunidade de educar para a diversidade, para a tolerância, para os valores. Temos os nossos mediadores municipais interculturais para trabalhar com as comunidades migrantes, temos escolas que têm mais de 40 nacionalidades e, de facto, não temos situações de violência. Agora, é natural que haja determinados grupos, que as forças de segurança vão acompanhando, mas não tem nada a ver com este fenómeno da imigração.

Há outro tipo de fenómenos que estão a acontecer, mas não têm a ver com esta diversidade cultural, que tem sido uma oportunidade para o município trabalhar e para que a cidade, no seu todo, também crie as condições para ser mais tolerante, mais compreensiva. Ainda há poucos dias recebi uma comitiva com as várias igrejas que estão no Porto. Nós encomendámos à Universidade Lusófona um trabalho, e neste momento a Universidade está a preparar em conjunto com a autarquia uma Carta das Religiões, para fazermos todo o levantamento do culto no município. Porque tudo isto é uma oportunidade para nós também sensibilizarmos e despertarmos para a multiculturalidade.

"Queremos que a cidade seja vivida"

Quando é que estará pronta essa carta?

Esperemos que dentro de seis/sete meses esteja pronta e, portanto, mais do que georreferenciar, para nós é uma oportunidade de nos aproximarmos e para mostrar que devemos celebrar esta diversidade cultural, porque ela é uma oportunidade também para educarmos para os valores, para esta diversidade. O Porto é uma cidade cosmopolita, uma cidade aberta e tolerante, democrática, livre, mas às vezes é um pouco conservadora e, portanto, nós também temos que desconstruir preconceitos.

O mesmo acontece relativamente aos idosos. Hoje, do ponto de vista social, é como que se os idosos, a partir de uma determinada idade, perdessem a sua capacidade de decidir. São os filhos que decidem por ele, são institucionalizados. Muitas vezes, perdem o título, perdem a sua história, passam a ser o nome. E nós queremos contrariar esta situação. Nós temos que potenciar e aproveitar aquilo que são experiências de vida e dar oportunidade para que haja esta cidadania ativa e plena. Isto é uma forma também de combatermos as várias formas de violência, de quebrar a invisibilidade, de criar serviços e, sobretudo, criar uma cidade plena. Nós queremos que a cidade seja vivida. Temos 42 quilómetros quadrados, temos uma diversidade de equipamentos culturais, atividades desportivas, um conjunto de serviços e queremos, de facto, que a cidade seja vivida por todos.

Na sua mensagem para o IV Dia Mundial dos Avós e Idosos, o Papa Francisco pediu coragem no combate ao abandono e alertou para as atitudes egoístas que levam ao descarte. Falta na sociedade esta aposta na educação, para a cidadania e para a solidariedade?

Sim. Nas nossas escolas do primeiro ciclo temos, por exemplo, filosofia, temos yoga, temos judo no pré-escolar... São atividades que às vezes nos convidam a uma outra atitude, a uma outra reflexão, mas acho que é preciso continuar a educar. Eu sou da área da Filosofia e vejo que, por exemplo, a Filosofia quase que desaparece dos currículos do ensino secundário. Precisamos de investir e capacitar ainda muito mais para este exercício de cidadania, para respeitarmos o outro na sua dignidade, na sua identidade e na sua necessidade de ser feliz.

Nós precisamos olhar o ser humano neste sentido ético de responsabilidade e, portanto, achamos que há muito bons exemplos, estamos no bom caminho, mas este tem que ser um esforço continuado. Temos de continuar a investir para, que de facto, as nossas cidades sejam cidades participadas. Nós somos seres de relação e é na relação com os outros que somos verdadeiramente pessoas e é nesta relação que nós temos que cultivar e aprofundar, que de facto também reconhecemos o outro no sentido ético, na sua dignidade. É nisso que nós acreditamos, é por isso que continuamos a trabalhar.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Joaquim Correto
    18 jun, 2024 Paços 11:09
    Tem principalmente a ver com o estado degradante a que o presidente da Câmara, Rui Moreira, deixou o Porto chegar!

Destaques V+