Tempo
|
A+ / A-

Papa no Angelus: “A violência mata o futuro"

27 nov, 2022 - 12:05 • Aura Miguel

A violência na Terra Santa e a situação na Ucrânia foram duas das questões abordadas por Francisco.

A+ / A-

O Papa está preocupado com o aumento da violência na Terra Santa e apela aos Estados da Palestina e de Israel para darem prioridade ao diálogo.

No final da oração do Angelus deste domingo, Francisco lamentou a violência dos confrontos que não abrandam e os atentados da passada quarta-feira, que feriram várias pessoas e mataram dois jovens, um israelita e um palestiniano.

“A violência mata o futuro, destruindo a vida dos mais jovens e enfraquecendo as esperanças de paz. Rezemos por estes jovens mortos, pelas suas famílias e, em particular, pelas suas mães”, disse o Papa.

“Espero que as autoridades israelitas e palestinianas, dêem prioridade à busca do diálogo, construindo a confiança recíproca, sem a qual nunca haverá uma solução de paz na Terra Santa."

O Papa lamentou ainda a morte por frio de um sem abrigo que viva na zona da Colunata da Praça de São Pedro e, a propósito de uma manifestação realizada em Roma, contra a violência das mulheres, reconheceu que "infelizmente, é uma realidade generalizada, espalhada por todo o lado, e é também usada como arma de guerra”.

Por isso, Francisco deixou mais um apelo: ”Não nos cansemos de dizer não à guerra, não à violência; sim ao diálogo, sim à paz, em particular, para o martirizado povo ucraniano."

Conselhos do Papa para este Advento

Neste primeiro domingo do Advento, o Papa explicou como é que Jesus está presente nas coisas normais e quotidianas da vida” e como O podemos reconhecer. Deus esconde-se nas situações mais comuns e ordinárias de nossa vida, não vem em eventos extraordinários, mas nas coisas do dia-a-dia, no nosso trabalho, num encontro casual, no rosto de uma pessoa necessitada”, afirmou.

“E até mesmo quando enfrentamos dias que parecem cinzentos e monótonos, o Senhor está ali, chama-nos fala e inspira as nossas ações."

Há, no entanto, uma condição para O reconhecer: “Devemos estar acordados, atentos, vigilantes, pois existe o perigo de não percebermos a sua vinda e não estarmos preparados para a sua visita.” Ou seja, “Ele passar e eu não o reconhecer!"

Francisco espera que, neste tempo do Advento “nos deixemos abanar do nosso torpor e despertar do sono” e interrogou cada um: “Estou consciente do que vivo, estou atento, estou acordado? Procuro reconhecer a presença de Deus nas situações quotidianas ou estou distraído e um pouco esmagado pelas coisas?” É que, “se não percebermos a sua vinda hoje, também não estaremos preparados quando Ele vier no fim dos tempos. Portanto, permaneçamos vigilantes!”, afirmou.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+