Tempo
|
A+ / A-

Assembleia plenária da CEP

Bispos vão fazer pedido formal de perdão a vítimas de abusos

10 nov, 2022 - 15:58 • Teresa Paula Costa com Redação

Bispos aguardam relatório da Comissão que estuda os casos de abusos para definir os moldes do pedido e reconhecem impacto que notícias têm provocado na sociedade portuguesa.

A+ / A-

A Conferência Episcopal Portuguesa (CEP) anunciou esta quinta-feira que pretende fazer um pedido formal de perdão às vítimas dos abusos sexuais por parte de membros da Igreja.

No final da assembleia plenária que decorreu em Fátima, o presidente da CEP, D. José Ornelas, disse que o mais importante é receber o relatório da comissão independente que investiga o assunto, para que os bispos tenham conhecimento do teor das denúncias e percebam como tudo aconteceu, mas a intenção é, desde já, pedir formalmente perdão.

Segundo D. José Ornelas "esta comissão vai fazer outras propostas", mas "uma das sugestões que nós entendemos e partilhamos completamente" é o pedido de perdão, revelou o bispo.

"Um pedido solene, mas marcante, de perdão", sublinhou, "porque quando eu peço perdão, estou a dizer que estou traçando limites à compreensão e à aceitação de comportamentos destes. Que são inaceitáveis", concretizou.

De qualquer modo, os bispos não decidiram avançar com esse pedido formal porque "o importante agora é que chegue o relatório" e "que se entenda as coisas”.

Nesta conferência de imprensa, D. José Ornelas revelou que a CEP nada mais sabe do que aquilo que a Comissão deu a conhecer na última conferência de imprensa.

Contra "generalizações" e "condenações"

O presidente da Conferência Episcopal reconheceu também que as notícias que têm saído sobre denúncias de casos têm causado impacto na sociedade e lamentou as "generalizações" e "condenações" que se fazem na praça pública.

Para D. José Ornelas, "ninguém de bom nome ficaria indiferente quando se fazem generalizações deste género".

"Algumas pessoas podem desligar-se e criar 'anticorpos' em relação à Igreja", admitiu o também bispo de Leiria-Fátima, sublinhando que esse é mais um fator que justica "a nossa preocupação e o nosso esforço para resolver claramente estes casos".

Crise. Bispos pedem "convergência de regime"

Nesta conferência de imprensa que encerrou a assembleia plenária de novembro, o presidente da CEP revelou também que os bispos portugueses estão muito preocupados com a situação económica das famílias.

"O que se vê é que, de facto, aumentaram significativamente os pedidos de ajuda, de alimentos", afirmou D. José Ornelas, para quem é "particularmente grave" o facto de que "não são pessoas desempregadas, mas pessoas que têm o seu trabalho" e "que não conseguem fazer frente às suas responsabilidades e às necessidades da sua família".

"Durante a pandemia, nós tivemos situações destas e encontraram-se soluções", lembrou o bispo, que frisou que "o que agora está a experienciar-se é qualquer coisa de certo modo mais grave."

Por isso e porque "também há meios novos" de ajuda, o bispo defendeu que "deviam ser postos ao serviço desta situação”.

Indispensável é, para D. José Ornelas, que haja "convergência e acordos de regime" entre os partidos políticos, para que se resolva a situação.

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • José Costa
    10 nov, 2022 Setubal 16:27
    Dentro dos cânones religiosos, e segundo os ensinamentos difundidos, a misericórdia de Deus é infinita, e tudo perdoa. Apenas às vezes tem de enviar algumas almas para o purgatório ou para o inferno, possivelmente aquelas que não mostram seus arrependimentos. Logo, ao ser decidido fazer um pedido formal de perdão às vítimas dos abusos sexuais por parte de membros da Igreja, o perdão de Deus vai contemplá-los e vão ficar com suas consciências mais aliviadas. Quem sou eu, alma pecadora, para opinar seja lá o que for nesta matéria e, como tal, dizer que o conservadorismo desta Instituição, apesar destes contratempos, tudo vai fazendo para que seus "STATUS" possam perdurar no tempo, ainda que aceitando o facto de terem de se adaptar às exigências que o mundo lhe coloca. Não refuto que no mundo actual, pejado de crenças e outros sortilégios que abundam por todo o planeta TERRA, as religiões, para além de terem estado sempre na base das culturas mais díspares que coercivamente modelaram e continuam a modelar as mentes, algumas delas, têm dado bons contributos para algum progresso e apaziguamento, ao mesmo tempo outras, bem pelo contrário, continuam acirradas em defender as mais retrógradas práticas espalhando ódio e muita discórdia ao ponto de fomentarem o mais desprezível dos intentos para conseguirem, a "GUERRA".E assim, vão continuando sentir-se mais em paz consigo próprios e usufruindo das benesses que a Instituição lhes proporciona.

Destaques V+