Tempo
|
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
A+ / A-

Papa Francisco. Enfrentar abusos na Igreja "implica coragem e nem todos a têm"

08 nov, 2022 - 18:18 • Aura Miguel

Sumo Pontífice envergonhado com abusos. "Ainda há bispos que dizem não saber de nada", afirma o Papa.

A+ / A-

No rescaldo dos mais recentes escândalos de abusos que envolvem a hierarquia da Igreja em França, o Papa abordou o assunto no encontro com os jornalistas durante o voo de regresso do Bahrain, no domingo.

Depois de a imprensa francesa ter revelado que a Igreja manteve em segredo a condenação canónica do bispo de Luçon, Michel Santier, o Papa fez um enquadramento dos passos desencadeados até agora pelo Vaticano.

Já depois das declarações de Francisco, foi ainda conhecida a confissão do cardeal Jean-Pierre Ricard, bispo emérito de Bordéus, que declarou ter agredido uma menor de 14 anos, há 35 anos.

“Sobre o tema dos abusos, a Igreja está determinada. Estamos a trabalhar arduamente, mas sabes que há pessoas dentro da Igreja que ainda não estão a ver claro”, disse Francisco a um jornalista francês que o questionou.

“E dizem: ‘Esperemos um pouco mais, vamos ver…’ É um processo que implica coragem e nem todos a têm. Mas a vontade da Igreja é a de esclarecer tudo”, garantiu o Papa.

O Santo Padre reafirmou que os abusos praticados por sacerdotes “são contra a própria natureza sacerdotal e também contra a própria natureza social. Por isso, é uma coisa trágica e não devemos parar”.

Sobre os mais recentes casos em França, Francisco acrescentou: “Agora é tudo mais claro, por isso, não nos devemos surpreender que surjam casos como estes. Estou a pensar num ou noutro bispo… Ainda existem, sabes? E não é fácil dizer: ‘nós não sabíamos” ou ‘esconder era a cultura da época e para muitos ainda continua a ser”, lamenta o Papa.

“Fazemos o que podemos, somos pecadores. E a primeira coisa que precisamos de sentir é a vergonha, ter profunda vergonha disso. Podemos lutar contra todos os males do mundo, mas sem vergonha não conseguiremos”.

E acrescentou: “um dos insultos que temos na minha terra é: ‘você é um sem vergonha’; acredito que a Igreja não pode ficar ‘sem vergonha’ e que deverá envergonhar-se com as coisas más, bem como agradecer a Deus pelas coisas boas que faz”.

Para isso, há que “seguir em frente, com toda a boa vontade e com a vossa ajuda”, disse o Papa Francisco aos jornalistas.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+