Tempo
|
A+ / A-

Guerra na Ucrânia

“Precisamos de ajuda”. Bispo de Kharkiv alerta para dias duros do inverno

21 out, 2022 - 09:00 • Olímpia Mairos

Segundo o prelado, “as prioridades são muitas. São necessárias roupas quentes, medicamentos, comida”, alertando que “o inverno rigoroso da Ucrânia pode transformar-se num verdadeiro inferno”.

A+ / A-

O bispo grego católico de Kharkiv, D. Vasylij Tuchapets, diz que a guerra vai entrar agora numa fase muito difícil durante os duros meses de Inverno e toda a ajuda é necessária.

Em declarações à Fundação Ajuda à Igreja que Sofre (AIS), alerta que “com a chegada do inverno e com a guerra a ganhar nova intensidade, vai ser preciso redobrar a ajuda às populações”.

“Muitas casas ficaram danificadas ou mesmo destruídas com os bombardeamentos e agora é preciso assegurar que as pessoas conseguem estar minimamente aquecidas. Não é fácil”, observa.

D. Vasylij Tuchapets refere que “as prioridades são muitas. São necessárias roupas quentes, medicamentos, comida”.

“O inverno rigoroso da Ucrânia pode transformar-se num verdadeiro inferno… Precisamos de ajuda para as pessoas e estas necessidades vão continuar por muito tempo, destaca.

A região que corresponde à diocese já esteve ocupada pelas tropas russas, já foi libertada pelo exército ucraniano, mas continua a sofrer com os constantes bombardeamentos.

Muitos habitantes abandonaram a região, mas, segundo o bispo, novas pessoas foram também chegando. E muitos vão bater à porta da Igreja “e não só para a ajuda humanitária, comida, medicamentos, roupa… mas também por sentirem um regresso à fé, à importância da oração, ao consolo da presença de Deus”.

“A maioria das pessoas que vêm rezar agora são aquelas que começaram a vir durante a guerra. Por vezes, após anos de vida em comum, pedem para celebrar o casamento ou o batismo para os seus filhos”, conta à Fundação AIS.

A Igreja dá uma atenção particular aos mais novos, às crianças e jovens que estão a viver um tempo particularmente difícil por causa da guerra. Depois de terem passado largas semanas escondidas, em ‘bunkers’ por vezes improvisados, procurou-se regressar a alguma normalidade. E as irmãs e os catequistas começaram a organizar encontros, concursos, jogos, de forma que os mais novos se sintam atraídos a uma vivência em conjunto.

Uma das iniciativas que teve maior sucesso e que tem o apoio da Fundação AIS, foi a dos campos de férias. Nessas “Férias com Deus”, procurou-se devolver a alegria a quem foi forçado a testemunhar os horrores dos bombardeamentos, a destruição de casas, a morte de familiares e amigos.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+