Tempo
|
A+ / A-

Papa Francisco nomeia Conselho provisório e assume controlo da Ordem de Malta

03 set, 2022 - 15:02 • Lusa

O papa decidiu destituir o atual Conselho soberano e criar um provisório, cujos 13 membros são nomeados pessoalmente por si, tentando assim pôr fim a vários anos de litígio interno.

A+ / A-

O Papa Francisco assumiu, este sábado, o controlo da Ordem de Malta ao extinguir os seus órgãos de topo e ao nomear um Conselho soberano provisório, tentando assim pôr fim a vários anos de litígio interno.

Em decreto publicado pelo Vaticano, o Papa anunciou que promulgou a "nova Carta Constitucional" da Ordem de Malta e a "entrada imediata em vigor" das novas regras.

O papa decidiu assim destituir todos os altos cargos, o atual Conselho soberano e criar um provisório, cujos 13 membros são nomeados pessoalmente por si.

A Ordem de Malta, fundada em Jerusalém e reconhecida pelo Papa no ano de 1.113, é uma ordem religiosa sediada em Roma e que é reconhecida como sendo uma importante organização de caridade.

Atualmente conta com 13.500 membros, incluindo 50 religiosos, que cuidam do trabalho hospitalar e humanitário da Ordem de Malta que possui mais de 100 mil funcionários ou voluntários espalhados por 120 países.

A crise no seio da Ordem de Malta e em suas relações com o Vaticano eclodiu com uma disputa no topo da Ordem em 2016, quando o Grão-Mestre da Ordem de Malta, que é seu chefe, pediu ao Grão-Chanceler que renunciasse.

Alguns "Cavaleiros da Ordem" opuseram-se e pediram a intervenção do Papa Francisco, que enviou uma comissão de inquérito e levou à demissão do Grão-Mestre, cujas anteriores decisões foram anuladas.

Francisco nomeou então um "delegado pontifício", seu representante pessoal na Ordem, e a partir daí começou a trabalhar na reforma da Carta Constitucional da Ordem.

O projeto de reforma da Carta Constitucional elaborado pelo delegado pontifício prevê que a Ordem de Malta seja "sujeito da Santa Sé", isto é, do Vaticano, mas tal revela-se controverso, já que os "Cavaleiros de Malta" temem ver a Ordem reduzida a "uma associação de religiosos", segundo refere um artigo de uma publicação religiosa italiana.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • António dos Santos
    05 set, 2022 Coimbra 13:13
    Concordo totalmente com Ivo Pestana. Seguindo esta linha, já era tempo de acabar com a seita existente no ceio da Igreja, que é a Opus Dei, pois o seu fundamento não tem nada a ver com Jesus Cristo.
  • Ivo Pestana
    03 set, 2022 RaM 16:07
    Sou cristão católico e pecador, mas em mim só Deus manda. Por isso, não quero pertencer a movimentos e afins...onde nem sempre JESUS está em primeiro lugar.

Destaques V+