Tempo
|
A+ / A-

Papa quer "mais carisma do que autoridade hierárquica" no Opus Dei

04 ago, 2022 - 20:50 • Redação

Reforma da prelatura prevê que, a partir de agora, a máxima autoridade do Opus Dei apresente um relatório anual ao Dicastério para o Clero, sobre “o estado da prelatura e o desenvolvimento do seu trabalho apostólico”.

A+ / A-

Entrou em vigor esta quinta-feira o documento papal que lança a reforma do Opus Dei.

A carta apostólica "Ad charisma tuendum" ("Para tutelar o carisma") foi divulgada em julho e determina que a organização passe a responder ao Dicastério para o Clero, na Santa Sé.

No documento, Francisco sublinha a necessidade de mudanças face à nova constituição da Cúria Romana, publicada a 19 de março deste ano, pelo que o Dicastério de referência para a prelatura deixa de ser o dos Bispos.

A partir de agora, o prelado, máxima autoridade do Opus Dei, deve apresentar um relatório anual ao Dicastério para o Clero, sobre “o estado da prelatura e o desenvolvimento do seu trabalho apostólico”.

Ainda sobre a figura do prelado, o artigo 4 da nova carta apostólica determina que o mesmo deixe de poder ser nomeado bispo.

O Papa explica que esta decisão pretende “reforçar a convicção de que, para a tutela do dom peculiar do espírito, é precisa uma forma de governo fundada mais sobre o carisma do que sobre a autoridade hierárquica”.

Francisco determina ainda que os estatutos da prelatura “sejam convenientemente adequados” a estas mudanças, por proposta do próprio Opus Dei e sob aprovação dos “órgãos competentes da Sé Apostólica”.

Na reação, o prelado da Opus Dei, Fernando Ocariz, diz aceitar as mudanças pede aos membros a seguirem o apelo do papa "para difundir o apelo à santidade no mundo".

Em declarações à agência France Presse, o porta-voz do Opus Dei, Manuel Sanchez, disse que algumas pessoas “interpretaram as disposições da Santa Sé em termos de rebaixamento ou perda de poder”.

“Não estamos interessados nesse tipo de raciocínio, porque para um católico não faz sentido usar categorias de poder ou mundanas", acrescentou.

O Opus Dei "acolhe filialmente o que vem do Santo Padre, com o desejo de aprofundar o que é essencial", refere Manuel Sanchez.

O Opus Dei foi fundado em 1928 pelo padre espanhol Josemaría Escrivá de Balaguer, falecido em Roma em 1975, aos 73 anos e canonizado pelo Papa São João Paulo II em 2002.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+