Tempo
|
A+ / A-

Abuso de menores

Diocese de Setúbal "não se revê" em tese de encobrimento de denúncia

05 ago, 2022 - 16:30 • Ricardo Vieira

Diocese esclarece que “durante o tempo em que decorreu a investigação, o sacerdote em causa foi suspenso das suas funções”. O padre acabou por ser ilibado.

A+ / A-

A Diocese de Setúbal rejeita a tese de “ocultação” ou “encobrimento” no tratamento de uma denúncia de alegado abuso de menores.

Num comunicado divulgado esta sexta-feira, a diocese reage às notícias sobre a atuação do bispo emérito de Setúbal, D. Gilberto Canavarro dos Reis, em relação a uma denúncia.

A Diocese de Setúbal confirma que existiu, entre 2008 e 2015, “uma investigação canónica a um padre diocesano, motivada por queixas de abuso sexual de menores”.

O processo canónico foi organizado por D. Gilberto Canavarro dos Reis, “tendo sido ouvidas todas as partes envolvidas, ou seja, o alegado perpetrador e as alegadas vítimas”.

O comunicado esclarece que “durante o tempo em que decorreu a investigação, o sacerdote em causa foi suspenso das suas funções”.

Após a conclusão do processo, “o decreto emanado pela Santa Sé ilibou o padre e permitiu que voltasse a exercer o seu ministério, com o ofício de pároco”.

“A Diocese de Setúbal não se revê nas expressões ‘ocultação’ ou ‘encobrimento’, dado que o processo de averiguação decorreu no cumprimento das orientações canónicas e civis em vigor à data”, sublinha a nota.

A diocese sadina reafirma o seu empenho, através da sua Comissão de Proteção de Menores e Pessoas Vulneráveis, em “promover um ambiente de segurança, são relacionamento e cuidado dos mais novos e mais frágeis; em prevenir comportamentos atentatórios da dignidade destas pessoas; e em acolher e cuidar daqueles que possam ser vítimas de abuso e comportamentos desviantes”.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+