Tempo
|
A+ / A-

Acordo Vaticano-Pequim: o processo é lento e exige "paciência de chinês", diz o Papa

05 jul, 2022 - 11:49 • Aura Miguel

"O acordo está a correr bem e espero que em outubro possa ser renovado", ressalta Francisco.

A+ / A-

O Papa Francisco disse em entrevista à agência Reuters esta terça-feira que, apesar do acordo provisório entre o Vaticano e a China sobre a nomeação de bispos católicos não ser o ideal, espera que possa vir a ser renovado em outubro, porque a Igreja tem uma visão de longo prazo.

O acordo, assinado pela primeira vez em 2018, é renovado a cada dois anos e surgiu com o objetivo de aliviar uma divisão de longa data que opõe setores da igreja católica clandestina, fiel ao Papa, à igreja patriótica oficial apoiada pelo Estado.

Neste acordo provisório, cujo conteúdo se mantém secreto, ambos os lados reconhecem o Papa como líder supremo da Igreja Católica e aceitam a cooperação na nomeação de bispos, dando ao Papa a palavra final.

Este acordo veio regularizar a posição de sete bispos que tinham sido ordenados antes de 2018 sem a aprovação do Vaticano. Mas, desde então, apenas seis novos bispos foram nomeados.

"O acordo está a correr bem e espero que em outubro possa ser renovado", afirmou Francisco nesta entrevista.

Face às críticas que desde então têm surgido por este acordo secreto não estar a produzir os efeitos desejados e por Pequim não ter abrandado a perseguição do regime a certas comunidades católicas, Francisco recorda também que, durante a guerra fria, João XXI e Paulo VI foram criticados pela “política de pequenos passos” do então secretário de Estado, cardeal Casaroli, nas suas relações com os países comunistas.

"A diplomacia é assim. Quando se enfrenta uma situação de bloqueio, é preciso encontrar o caminho possível, que nem sempre é ideal", disse Francisco.

“É um processo lento ´à maneira chinesa’ porque os chineses têm aquela noção de tempo que ninguém os pode apressar", comenta Francisco. “Mas a diplomacia é assim. Quando se enfrenta uma situação de bloqueio, é preciso encontrar o caminho possível, que nem sempre é ideal", concluiu.

Estas declarações, hoje publicadas, inserem-se numa vasta entrevista concedida à agência Reuters, cuja primeira parte foi ontem divulgada.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+