Tempo
|
A+ / A-

Papa condena "bárbaro ataque" ao Centro Comercial de Kremenchuk

29 jun, 2022 - 12:02 • Henrique Cunha , Olímpia Mairos

Francisco insiste na defesa do diálogo como forma de ultrapassar a guerra.

A+ / A-

No final do Ângelus, esta manhã em Roma, Francisco condenou o bárbaro ataque ao centro comercial de Kremenchuk e voltou a apelar ao fim da “louca guerra” na Ucrânia.

“Trago no coração todos os dias a carne martirizada da Ucrânia que continua a ser flagelada por bárbaros ataques como aquele que atingiu o centro comercial de Kremenchuk”, disse Francisco, pedindo que “esta louca guerra encontre o seu fim” e renovando “o convite a perseverar, sem descanso na oração pela paz”.

O Papa insistiu ainda na defesa do diálogo como forma de ultrapassar a atual situação.

“Que o Senhor abra as vias do diálogo que os homens não querem ou não conseguem encontrar. E não deixem de socorrer a população ucraniana que tanto sofre”, conclui.

O presidente ucraniano, Volodymyr Zelenskiy, classificou como um “vergonhoso acto terrorista” o ataque com mísseis russos a um centro comercial em Krementchouk, no centro da Ucrânia, que provocou pelo menos 18 mortos e 59 feridos.

O ataque russo contra um centro comercial na Ucrânia foi considerado pela ONU um “ato deplorável”.

“Foi no mínimo um ato deplorável”, declarou o porta-voz da ONU, Stephane Dujarric em reação ao bombardeamento de um shopping na cidade de Kremenchuk, na região de Poltava.

A guerra na Ucrânia teve início com a invasão russa a 24 de fevereiro. A ONU já confirmou a morte de mais de 4.600 civis, alertando, contudo, que o balanço real será consideravelmente superior.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+