Tempo
|
A+ / A-

Papa insiste: “Por favor não esqueçamos a Ucrânia”

26 jun, 2022 - 11:44 • Aura Miguel

Francisco também manifestou preocupação pela situação no Equador, encorajando aquele povo a abandonar a violência e as posições extremas para apostar no diálogo sem esquecer “as populações marginalizadas e mais pobres".

A+ / A-

No final da oração do Angelus, o Papa Francisco solidarizou-se uma vez mais com o povo da Ucrânia e denunciou os bombardeamentos que “continuam a causar mortes destruição e sofrimento na população”.

O Santo Padre insistiu: “Por favor não esqueçamos este povo afligido pela guerra; não os esqueçamos no coração e nas nossas orações”.

Francisco também manifestou preocupação pela situação no Equador, encorajando aquele povo a abandonar a violência e as posições extremas para apostar no diálogo sem esquecer “as populações marginalizadas e mais pobres, mas sempre respeitando os direitos de todos e as instituições do país”.

Especial destaque foi dado à morte da Irmã Lúcia, religiosa das Irmãzinhas de Jesus de Charles Foucauld, assassinada ontem na capital do Haiti. Missionária neste país há 20 anos, prestava sobretudo serviço às crianças da rua.

Francisco afirmou: "Sei que Lúcia fez da sua vida um presente para os outros até o martírio. Rezo a Deus pela sua alma e rezo pelo povo haitiano, especialmente pelos pequeninos para que possam ter um futuro mais tranquilo, sem miséria nem violência.”

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+