Tempo
|
A+ / A-

Papa pede aos jovens a "coragem" de se casarem. E às mães: "não lhes engomem as camisas"

25 jun, 2022 - 19:38 • Aura Miguel

“A família é o primeiro lugar onde se aprende a amar”, diz o Papa. Mas “é preciso coragem para se casar", lembra o Papa, pedindo aos jovens que "não tomem o caminho fácil de voltar para casa da mãe".

A+ / A-
Papa pede aos jovens a "coragem" de se casarem. E às mães: "não lhes engomem as camisas"
Papa pede aos jovens a "coragem" de se casarem. E às mães: "não lhes engomem as camisas"

O Papa Francisco apelou aos jovens para que façam uma "aposta corajosa" no casamento. Francisco participou esta tarde na missa de encerramento do X Encontro mundial das famílias, na Praça de São Pedro.

“A aposta no amor familiar é corajosa. É preciso coragem para se casar”, disse na homilia. “Vemos tantos jovens que não têm coragem para se casar, não é? E muitas vezes, algumas mães dizem-me ‘faça alguma coisa, fale com o meu filho que não se casa… e tem 37 anos”. Mas minha senhora, não lhe engome as camisas, comece a mandá-lo embora, para que saia do ninho! Porque o amor familiar também leva os filhos a voarem, não é possessivo, é sempre um amor de liberdade”.

Interrompido por aplausos, o Papa reconheceu, com o seu habitual realismo, que também há momentos de crise, pois “em todas as famílias há crises, mas por favor, não tomem o caminho fácil de voltar para casa da mãe. Não! Sigam por diante, com esta aposta corajosa”.

O Santo Padre definiu a família como “lugar do encontro, da partilha, da saída de si mesmo para acolher o outro e estar junto dele” e, sobretudo como “o primeiro lugar onde se aprende a

amar”. Mas, a propósito da beleza da família, também advertiu que é preciso defendê-la para que “não seja poluída pelos venenos do egoísmo, do individualismo, da cultura da indiferença e do descarte, perdendo assim o seu DNA que é o acolhimento e o espírito de serviço”.

Aos milhares de participantes neste encontro mundial, o Papa desejou que “o amor que viveis entre vós seja sempre aberto, comunicativo, capaz de «tocar com a mão» os mais frágeis e os feridos que encontrardes pelo caminho: frágeis no corpo e frágeis na alma”. Porque, de facto, “é quando se dá que o amor, incluindo o amor familiar, se purifica e fortalece”, concluiu.

A missa foi presidida pelo cardeal Kevin Farrell, prefeito do Dicastério para os Leigos, Família e Vida e o Papa participou, sentado num cadeirão, ao lado do altar. No final, Francisco leu uma mensagem de “envio missionário” dirigida ás famílias pedindo-lhes que anunciem “com alegria a beleza de ser uma família”, que proclamem “a graça do matrimónio cristão às crianças e aos jovens” e “dêem esperança a quem não a tem, agindo como se tudo dependesse de vós, sabendo que tudo deve ser confiado a Deus”.

O texto deste “envio missionário” será distribuído a todos neste domingo após a oração do Angelus na Praça de São Pedro.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Almiro Cardoso Piaqu
    08 jul, 2022 Pemba - Moçambique 06:31
    Realmente precisa de muita coragem. Mas é necessário, nós, como jovens devemos levar a vida e o namoro a sério. Actualmente os jovens não casam por causa das condições financeiras serem piores, um jovem não pode casa e voltar a morar a casa dos pais; e como esse jovem que não trabalha que não tem oportunidade de emprego vai casar? É todos casos concordo com o Papa, devemos casar sim para prevalecer sempre os bons valores, pois a família é a base da sociedade.

Destaques V+