Tempo
|
A+ / A-

Pastoral da Cultura reflete sobre precariedade

28 mai, 2022 - 16:27 • Teresa Paula Costa

Jornada decorre este sábado em Fátima. A presidente da Comissão Episcopal defende a necessidade de viragem ao essencial para se poder acudir às periferias.

A+ / A-

A precariedade dos tempos atuais está hoje em reflexão em Fátima na jornada nacional da pastoral da cultura.

Na abertura do evento, o Presidente da Comissão Episcopal da Cultura, Bens Culturais e Comunicações Sociais lembrou que os tempos que correm têm vindo a ser marcados pela pandemia de Covid-19 e pela guerra.

Considerando que “nada do que é humano é alheio às preocupações da Igreja”, D. João Lavrador alertou que “perante esta causa que afeta tão profundamente a humanidade do nosso tempo, urge tomá-la a sério, refleti-la para nela atuar em benefício da pessoa humana.”

O prelado lembrou uma passagem do Concílio Vaticano II, que refere que «a humanidade vive hoje uma fase nova da sua história, na qual profundas e rápidas transformações se estendem progressivamente a toda a terra”.

Por outro lado, “nunca o género humano teve ao seu dispor tão grande abundância de riquezas, possibilidades e poderio económico” enquanto “uma imensa parte dos habitantes da terra é atormentada pela fome e pela miséria, e inúmeros são ainda os analfabetos”.

Um momento atual que D. João Lavrador descreve como de “grande imprevisibilidade e precariedade”, o que o leva a defender a necessidade de a Igreja e os cristãos se virarem para o que é importante.

“Estamos a desperdiçar esforços em coisas que não são essenciais”, lamentou o bispo de Viana do Castelo, em declarações à Renascença, reconhecendo que “temos imensas atividades e andamos preocupados com milhentas coisas”.

Diz ser urgente “descobrir o rosto de Jesus de Nazaré e nele o amor de Deus pela humanidade”. Isso, aponta o bispo, “transforma a nossa existência e provoca-nos”, ativando uma “necessidade absoluta de realização pessoal numa comunidade cristã”.

“Penso que é algo fundamental e não podemos desperdiçar tempo”, salientou o Presidente da Comissão Episcopal da Cultura, Bens Culturais e Comunicações Sociais da Igreja.

Lidar com conflitos sem ser pela força das armas

Num dos painéis da jornada da pastoral da cultura, a diretora da Obra Católica Portuguesa de Migrações, defendeu que “é urgente aprender a lidar com os conflitos sem ser pela força das armas e da destruição massiva e infundada.”

Eugénia Quaresma salientou a importância de se “construir políticas que defendam a emigração como um direito e que reconheçam o lado de esperança e de cidadania ativa.”

Por outro lado, “é urgente promover o desenvolvimento, defendendo o direito a não emigrar”, considerou.

Recuperar o essencial do método cristão

Para o ex-ministro da economia, António Bagão Felix, outro convidado da jornada nacional da Pastoral da Cultura, é preciso “recuperar o essencial do método cristão”.

Isto é, “a partir do nosso interior, tentar transformar não apenas nós, mas aqueles que estão junto de nós”. “Esta é a principal luta contra a precariedade”, concluiu o ex-governante, que fez questão de dizer, no início da sua intervenção, que falava enquanto cristão e não enquanto ex-ministro.

Lamentando o facto de andarmos “obcecados com o urgente”, como “chegar depressa aquele sítio, ir buscar o filho à creche”, Bagão Felix frisou que “temos de respirar e dar outra dignidade àquilo que é importante nas nossas vidas”. “Ao darmos dignidade ao que é importante nas nossas vidas”, considerou Bagão Felix, “estamos a dar importância ao que é importante na vida dos outros.”.

A jornada nacional da Pastoral da Cultura junta este sábado em Fátima perto de meia centena de pessoas ligadas à área da cultura e artes.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+