Tempo
|
A+ / A-

Abusos sexuais na Igreja Católica

Comissão independente envolve jovens católicos na prevenção de abusos sexuais na Igreja

18 mai, 2022 - 23:38 • Isabel Pacheco

Psiquiatra Daniel Sampaio diz ser fundamental reforçar a educação sexual nas escolas para a prevenção de situações de abuso, como, por exemplo, no namoro. Pedro Strecht, que coordena a comissão independente, admite que o número de vítimas será bem maior do que os mais de 300 testemunhos reunidos.

A+ / A-

A partir de setembro, a Comissão Independente para o estudo de abusos sexuais na Igreja vai envolver jovens de movimentos católicos na prevenção de situações de abuso.

A iniciativa foi anunciada esta quarta-feira em Braga pelo psiquiatra, Daniel Sampaio, que integra a comissão.

O objetivo é que esses jovens “possam divulgar a nossa mensagem e ter uma atitude preventiva junto dos jovens, explicando o problema e possam ser os embaixadores da comissão em diversos contextos onde eles se possam movimentar”.

Para este psiquiatra, é fundamental reforçar a educação sexual nas escolas para a prevenção de situações de abuso, como, por exemplo, no namoro.

“Esta é uma dimensão preventiva muito importante em relação por exemplo à violência do namoro e a questões de dificuldades na sexualidade”, refere Daniel Sampaio, que falava à margem da conferência sobre abuso sexual na Universidade Católica de Braga e onde sublinhou a necessidade de outras instituições seguirem o exemplo da Igreja no combate e prevenção de abusos sexuais.

Para este psiquiatra que integra a Comissão Independente para o estudo de abusos sexuais na Igreja, “é fundamental que a sociedade se empenhe no tema, porque sendo a Igreja que tomou a iniciativa, é mais importante que outras estruturas possam tomar a iniciativa, nós vamos recomendar isso, com certeza”.

Acesso aos arquivos

Para o pedopsiquiatra Pedro Strecht, que coordena a comissão, o acesso aos arquivos da Igreja é um importante passo para o estudo do fenómeno.

“Significa que a equipa de historiadores que nós convocámos para este trabalho possam ter acesso em cada diocese, respeitando as diferenciações de lei canónica e de direito civil, aos arquivos que podem existir sobre esta matéria, quer tenhamos ou não conhecimento”, disse aos jornalistas.

Nesse sentido, Pedro Strecht admite que o número de vítimas possa ser bem maior do que as 326 contabilizadas até agora.

“Nós, hoje em dia, temos muito mais vítimas do que as mais de três centenas de testemunhos, porque, na maior parte dos testemunhos, as pessoas indicam com alto grau de certeza e, às vezes, com total frontalidade - até descrevendo nomes - de outras vítimas.

Portanto, há uma distância muito grande entre o número de testemunhos e as centenas de vítimas que nós já sabemos existirem”, remata.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+